PESQUISAR TEMAS E ARQUIVOS DO BLOG

segunda-feira, 10 de abril de 2017

Papa Francisco: “Este Jesus, aclamado na Cidade Santa, não é um iludido que apregoa ilusões"


Cidade do Vaticano - Inicia-se neste Domingo de Ramos, 9, a Semana Santa. O Papa Francisco presidiu a Missa deste domingo, na Praça São Pedro, que contou com a participação de vários fiéis e peregrinos, cerca de quarenta mil pessoas.

“Esta celebração tem, por assim dizer, duplo sabor: doce e amargo. É jubilosa e dolorosa, pois nela celebramos o Senhor que entra em Jerusalém, aclamado pelos seus discípulos como rei; ao mesmo tempo, porém, proclama-se solenemente a narração evangélica de sua Paixão. Por isso, o nosso coração experimenta o contraste pungente e prova, embora numa medida mínima, aquilo que deve ter sentido Jesus em seu coração naquele dia, quando rejubilou com os seus amigos e chorou sobre Jerusalém”, disse o Pontífice.

“Há trinta e dois anos a dimensão jubilosa deste domingo tem sido enriquecida com a festa dos jovens: a Jornada Mundial da Juventude, que, este ano, se celebra no âmbito diocesano, mas daqui a pouco viverá, nesta Praça, um momento sempre emocionante, de horizontes abertos, com a passagem da Cruz dos jovens de Cracóvia para os do Panamá.”

“O Evangelho, proclamado antes da procissão, apresenta Jesus que desce do Monte das Oliveiras montado num jumentinho, sobre o qual ainda ninguém se sentara; evidencia o entusiasmo dos discípulos, que acompanham o Mestre com aclamações festivas; e pode-se, provavelmente, imaginar que isso contagiou os adolescentes e os jovens da cidade, que se juntaram ao cortejo com os seus gritos. O próprio Jesus reconhece neste jubiloso acolhimento uma força irreprimível querida por Deus, respondendo assim aos fariseus escandalizados: «Eu vos digo, se eles se calarem, as pedras gritarão».”

“Mas este Jesus, cuja entrada na Cidade Santa estava prevista precisamente assim nas Escrituras, não é um iludido que apregoa ilusões, um profeta «new age», um vendedor de fumaça. Longe disso! É um Messias bem definido, com a fisionomia concreta do servo, o servo de Deus e do homem que caminha para a paixão; é o grande Padecente da dor humana”, frisou o Papa.

“Assim, enquanto festejamos o nosso Rei, pensemos nos sofrimentos que Ele deverá padecer nesta Semana. Pensemos nas calúnias, nos ultrajes, nas ciladas, nas traições, no abandono, no julgamento iníquo, nas pancadas, na flagelação, na coroa de espinhos... e, por fim, no caminho da cruz até à crucificação.”

“Ele tinha dito claramente aos seus discípulos: «Se alguém quer vir comigo, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e me siga». Nunca prometeu honras nem sucessos. Os Evangelhos são claros. Sempre avisou os seus amigos de que a sua estrada era aquela: a vitória final passaria através da paixão e da cruz. E, para nós, vale o mesmo. Para seguir fielmente a Jesus, peçamos a graça de o fazer não por palavras mas com as obras, e ter a paciência de suportar a nossa cruz: não a recusar nem jogar fora, mas, com os olhos fixos n’Ele, aceitá-la e carregá-la a cada dia.”

“Este Jesus, que aceita ser aclamado, mesmo sabendo que O espera o «crucifica-o!», não nos pede para O contemplarmos apenas nos quadros, nas fotografias, ou nos vídeos que circulam na rede. Não. Está presente em muitos dos nossos irmãos e irmãs que hoje, sim hoje, padecem tribulações como Ele: sofrem com o trabalho de escravos, sofrem com os dramas familiares, as doenças... Sofrem por causa das guerras e do terrorismo, por causa dos interesses que se movem por trás das armas que não cessam de matar. Homens e mulheres enganados, violados na sua dignidade, descartados.... Jesus está neles, em cada um deles, e com aquele rosto desfigurado, com aquela voz rouca, pede para ser enxergado, reconhecido, amado.”

“Não há outro Jesus: é o mesmo que entrou em Jerusalém por entre o acenar de ramos de palmeira e oliveira. É o mesmo que foi pregado na cruz e morreu entre dois ladrões. Não temos outro Senhor para além d’Ele: Jesus, humilde Rei de justiça, misericórdia e paz.”

ANGELUS

No final da missa do Domingo de Ramos (09/04), o Papa Francisco rezou a oração mariana do Angelus, na Praça São Pedro. Na alocução que precedeu a oração, o Pontífice disse: “No final desta celebração, saúdo cordialmente todos vocês aqui presentes, especialmente os que participaram da conferência internacional em vista da assembleia sinodal sobre os jovens, promovida pelo Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida junto com a Secretaria Geral do Sínodo dos Bispos. Esta saudação se estende a todos os jovens que hoje, em torno de seus bispos, celebram a Jornada Mundial da Juventude em todas as dioceses do mundo. É mais uma etapa da grande peregrinação, iniciada por São João Paulo II, que no ano passado nos reuniu em Cracóvia e que nos convoca ao Panamá, em janeiro de 2019.”

“Por isso, daqui a pouco, os jovens poloneses entregarão a Cruz das Jornadas Mundiais da Juventude aos jovens panamenhos, acompanhados, uns e outros, por seus Pastores e Autoridades civis”, disse ainda o Papa.

“Peçamos ao Senhor para que a Cruz, junto ao ícone de Maria Salus Populi Romani, nos lugares em que passar, faça crescer a fé e a esperança, revelando o amor invencível de Cristo.”

A seguir, Francisco recordou as vítimas do atentado cometido na Suécia: “A Cristo, que hoje entra na Paixão, e à Virgem Santa confio as vítimas do atentado terrorista perpetrado, na última sexta-feira (07/04), em Estocolmo, bem como aqueles que ainda são duramente provados pela guerra, tragédia da humanidade”.

O Papa recordou também as vítimas de uma explosão na igreja Mar Girgis, na cidade de Tanta, no Egito, este domingo (09/04), que deixou vinte e cinco mortos e 40 feridos. A cidade está situada a cem quilômetros ao norte do Cairo: “Rezemos pelas vítimas do atentado perpetrado, infelizmente, hoje, esta manhã, no Cairo, numa igreja copta. Ao meu querido irmão, Sua Santidade Tawadros II, à Igreja copta e a toda a querida nação egípcia expresso o meu profundo sentimento de pesar. Rezo pelos defuntos e feridos. Estou próximo aos familiares e a toda comunidade. Que o Senhor converta o coração das pessoas que semeiam terror, violência e morte, e também o coração daqueles que fazem e traficam armas.”

VIGÍLIA COM OS JOVENS

O Papa Francisco presidiu na tarde deste sábado, 8 de abril, a vigília de oração com os jovens, na Basílica de Santa Maria Maior, em vista da 32ª edição da Jornada Mundial da Juventude, em nível diocesano, que se celebrará amanhã, Domingo de Ramos, em todas as dioceses do mundo. O tema da 32ª edição da JMJ é “O Todo-poderoso realizou grandes coisas em meu favor”, extraído do Evangelho de Lucas 1, 49.

“Queridos jovens, não tenham medo de dizer ‘sim’ a Jesus com todo o ímpeto do coração, de lhe responder generosamente e de segui-lo!”, tuitou o Papa neste sábado, em sua conta @Pontifex em nove línguas.

Esta vigília de oração na Basílica de Santa Maria Maior é o primeiro encontro do Papa com os jovens no caminho de preparação da XV Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos, marcada para outubro de 2018 sobre o tema “Os jovens, a fé e o discernimento vocacional”, e da 34ª Jornada Mundial da Juventude que se realizará no Panamá, em 2019.

"Esta noite, tem um duplo início de caminho rumo ao Sínodo que tem um tema longo, jovens, fé, discernimento vocacional. O Sínodo dos jovens", disse o Papa, "e o início do caminho rumo ao Panamá", reiterou Francisco.

O Papa Francisco escolheu e dedicou a Maria os temas para o percurso trienal das próximas Jornadas Mundiais da Juventude. Para a 33ª Jornada Mundial da Juventude diocesana de 2018 o tema escolhido pelo pontífice é “Não temas, Maria, porque encontraste graça junto de Deus”.

O tema da 34ª Jornada Mundial da Juventude que se realizará no Panamá, em 2019, é “Eis a serva do Senhor. Faça-se em mim segundo a tua palavra”. Os três temas anunciados tem como objetivo dar uma conotação mariana forte ao itinerário espiritual das próximas JMJ, recordando ao mesmo tempo a imagem de uma juventude a caminho entre passado (2017), presente (2018) e futuro (2019), animada pelas três virtudes teologais: fé, caridade e esperança.