PESQUISAR TEMAS E ARQUIVOS DO BLOG

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Papa: "Igreja não anuncia si mesma, mas Jesus"


Cidade do Vaticano – Em seu encontro com os fiéis na Praça São Pedro, neste domingo (15/01), o Papa explicou o sentido das palavras do Evangelho do dia proferidas por João Batista: “Eis o cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo”, às margens do Rio Jordão.

Enquanto João batiza as pessoas, homens e mulheres de várias idades, ele afirma que o reino dos céus está próximo e que o Messias está para se manifestar. “Para isso, é preciso se preparar, se converter e se comportar corretamente”. O batismo é um sinal concreto de penitência. João sabe que o Consagrado está chegando e o sinal para reconhecê-lo é que Nele se pousará o Espírito Santo, que trará o verdadeiro batismo.

“Eis que naquele momento Jesus se apresenta às margens do rio, no meio do povo, dos pecadores, como nós. É o seu primeiro ato público, a primeira coisa que faz quando deixa sua casa de Nazaré: desce à Judeia, vai ao Jordão e se faz batizar por João Batista. Naquele momento, sobre Jesus desce o Espírito Santo em forma de pomba e a voz do Pai o proclama Filho predileto”.

João entende que se realiza o plano divino

João fica desconcertado pelo fato de o Messias se ter manifestado de modo tão impensável, em meio aos pecadores. O Papa explicou que iluminado pelo Espírito, João entende que assim se realizava a justiça divina, o plano de salvação de Deus, que “como Cordeiro de Deus, toma para si os pecados do mundo”.

Esta cena, segundo o Pontífice, é decisiva para a nossa fé e para a missão da Igreja, que deve indicar Jesus às pessoas, como fazem os padres na missa, todos os dias, quando apresentam o pão e o vinho aos fiéis como o Corpo e o Sangue de Cristo: “Este gesto litúrgico representa toda a missão da Igreja, que não anuncia si mesma, mas anuncia Cristo! Ai da Igreja quando anuncia si mesma... perde a bússola, não sabe para onde ir. Ela não leva si mesma, mas leva Cristo, porque é Ele e somente Ele que salva o povo do pecado, o liberta e o guia rumo à terra da vida e da liberdade”.

Concluindo, o Papa rezou a oração mariana do Angelus e pediu a Maria, Mãe do Cordeiro de Deus, que nos ajude a crer Nele e a Segui-Lo.

DIA DO MIGRANTE

O Papa também pediu a adoção de “todas as medidas possíveis para garantir proteção, defesa e integração para as crianças migrantes”.

No Dia Mundial do Migrante e do Refugado, dedicado este ano ao tema “Migrantes de menor idade, vulneráveis e sem voz”, o Pontífice denunciou os perigos aos quais “estes pequenos irmãos, especialmente quando desacompanhados, estão expostos.

O encontro de culturas e o respeito das leis

“Saúdo especialmente os representantes de comunidades étnicas aqui presentes. Queridos amigos, desejo que possam viver com serenidade nas localidades que os acolhem, respeitando suas leis e tradições e, ao mesmo tempo, mantendo os valores de suas culturas originais. O encontro entre culturas diferentes é sempre um enriquecimento para todos!”.

Francisco fez um agradecimento público ao Setor ‘Migrantes’ da Diocese de Roma e a todos os que trabalham com os migrantes acolhendo-os e acompanhando-os em suas dificuldades.

Encorajando-os a prosseguirem esta obra, o Papa mencionou Santa Francisca Xavier Cabrini, morta 100 anos atrás, padroeira dos migrantes: “Esta religiosa, corajosa, dedicou sua vida e levar o amor de Cristo àqueles que estavam distantes de suas pátrias e famílias. Que seu testemunho nos ajude a cuidar do irmão estrangeiro, no qual Jesus está presente, e que muitas vezes sofre, é humilhado e repelido. Quantas vezes na Bíblia o Senhor nos pede para acolher os migrantes e os estrangeiros, recordando-nos que nós também somos estrangeiros".