PESQUISAR TEMAS E ARQUIVOS DO BLOG

terça-feira, 3 de janeiro de 2017

Dezesseis noviços fazem a Primeira Profissão


Moacir Beggo

O Noviciado São José de Rodeio, em Santa Catarina, estará em festa no dia 5 de janeiro de 2017 com a Primeira Profissão de dezesseis noviços na vida religiosa franciscana. Depois de viverem um ano intenso de oração, trabalho e estudos do modo de vida franciscano, o Definitório Provincial lhes deu o aval para fazerem a Profissão Temporária na Ordem dos Frades Menores durante a Celebração Eucarística, presidida pelo Ministro Provincial Frei Fidêncio Vanboemmel, às 19 horas, na Igreja São Francisco de Assis.

Na história do centenário Noviciado, esta turma registra o maior número de angolanos a fazer a Primeira Profissão. São eles: Frei Antônio da Silva Manuel, Frei Bernardo João Cassinda, Frei Bernanrdo José Cayoya Kandangongo, Frei Daniel kahuvi Tchitumba Tchikeva, Frei Domingos Kalanda Soma, Frei Elias Hebo Luís, Frei Evaristo Seque Joaquim, Frei Feliciano Afonso Manuel, Frei Helder Josué Mateus Domingos, Frei Pedro domingos Mugiba, Frei Pedro Isaías Luisa Vitangui e Frei Simão Cassua Horácio. Os brasileiros são Frei Francisco Dalilson Pereira Cabral, Frei Jonas Ribeiro da Silva, Frei Odilon Voss e Frei Lucas de Moura Justino Souza.

Para o mestre dos noviços, Frei Samuel Ferreira de Lima, este ano no Noviciado foi atípico porque a Província da Imaculada realizou o Capítulo Provincial no final de janeiro. “Foi um ano de transição já nos primeiros meses, com mudança de parte da equipe formadora. Isso exigiu mais paciência, mais acompanhamento de perto, reestruturação de algumas coisas, porém não houve dificuldades para os noviços e a turma absorveu com tranquilidade as mudanças”, explicou Frei Samuel, destacando a evolução da turma no campo musical com a vinda do Frei Pedro da Silva.

Outro aspecto positivo para o Mestre foi a boa integração e ‘leveza’ no convívio do grupo. “Vi nesta turma a humildade, alegria, vontade de aprender, docilidade no deixar-se conduzir e acolher as observações e exigências. Mas também essa turma exigiu trabalho na busca de mais espírito de iniciativa, a superação do medo de errar e se lançar diante dos desafios e no acompanhamento na execução dos trabalhos externos”, revelou Frei Samuel.


Segundo a Ordem dos Frades Menores, o tempo da profissão temporária é o “período durante o qual se completa a formação para viver de modo mais pleno a vida própria da Ordem e melhor cumprir sua missão”. Na Ordem Franciscana, os votos dos professos temporários são renovados anualmente até o momento da profissão solene.

A profissão religiosa na Ordem Franciscana, emitida nas mãos do Ministro Provincial, faz-se nos seguintes termos: “Para louvor e glória da Santíssima Trindade. Eu, Frei N.N., tendo o Senhor me dado a graça de seguir mais de perto o Evangelho e os passos de nosso Senhor Jesus Cristo, em tuas mãos, Frei Fidêncio Vanboemmel, com firme fé e vontade, faço voto a Deus, Pai santo e todo-poderoso, de viver por um ano, em obediência, sem nada de próprio e em castidade. Ao mesmo tempo, professo a vida e a regra dos Frades Menores, confirmada pelo Papa Honório, e prometo observá-la fielmente segundo as Constituições da Ordem dos Frades Menores. Entrego-me, pois, de todo o coração a esta Fraternidade, para que, pela ação eficaz do Espírito Santo, guiado pelo exemplo de Maria Imaculada, por intercessão de nosso Pai Francisco e de todos os santos, e com a ajuda fraterna de todos, eu possa tender constantemente para a perfeita caridade, no serviço a Deus, à Igreja e aos homens”.