PESQUISAR TEMAS E ARQUIVOS DO BLOG

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Santo do dia: Santo André, Apóstolo


Entre os Doze apóstolos de Cristo, André foi o primeiro a ser seu discípulo. Além de ser apontado por eles próprios como o "número dois", depois, somente, de Pedro. Na lista dos apóstolos, pela ordem está entre os quatro primeiros. Morava em Cafarnaum, era discípulo de João Batista, filho de Jonas de Betsaida, irmão de Simão-Pedro e ambos eram pescadores no mar da Galiléia.

Foi levado por João Batista à verde planície de Jericó, juntamente com João Evangelista, para conhecer Jesus. Ele passava. E o visionário profeta indicou-o e disse a célebre frase: "Eis o Cordeiro de Deus, que tira os pecados do mundo". André, então, começou a segui-lo.

A seguir, André levou o irmão Simão-Pedro a conhecer Jesus, afirmando: "Encontramos o Messias". Assim, tornou-se, também, o primeiro dos apóstolos a recrutar novos discípulos para o Senhor. Aparece no episódio da multiplicação dos pães: depois da resposta de Filipe, André indica a Jesus um jovem que possuía os únicos alimentos ali presentes: cinco pães e dois peixes.

Pouco antes da morte do Redentor, aparece o discípulo André ao lado de Filipe, como um de grande autoridade. Pois é a ele que Filipe se dirige quando certos gregos pedem para ver o Senhor, e ambos contaram a Jesus.

André participou da vida publica de Jesus, estava presente na última ceia, viu o Cristo Ressuscitado, testemunhou a Ascenção e recebeu o primeiro Pentecostes. Ajudou a sedimentar a Igreja de Cristo a partir da Palestina, mas as localidades e regiões por onde pregou não sabemos com exatidão.

Alguns historiadores citam que depois de Jerusalém foi evangelizar na Galiléia, Cítia, Etiópia, Trácia e, finalmente, na Grécia. Nessa última, formou um grande rebanho e pôde fundar a comunidade cristã de Patras, na Acaia, um dos modelos de Igreja nos primeiros tempos. Mas foi lá, também, que acabou martirizado nas mãos do inimigo, Egéas, governador e juiz romano local.

André ousou não obedecer à autoridade do governador, desafiando-o a reconhecer em Jesus um juiz acima dele. Mais ainda, clamou que os deuses pagãos não passavam de demônios. Egéas não hesitou e condenou-o à crucificação. Para espanto dos carrascos, aceitou com alegria a sentença, afirmando que, se temesse o martírio, não estaria "pregando a grandeza da cruz, onde morreu Jesus".

Ficou dois dias pregado numa cruz em forma de "X"; antes, porém, despojou-se de suas vestes e bens, doando-os aos algozes. Conta a tradição que, um pouco antes de André morrer, foi possível ver uma grande luz envolvendo-o e apagando-se a seguir. Tudo ocorreu sob o império de Nero, em 30 de novembro do ano 60, data que toda a cristandade guarda para sua festa.

O imperador Constantino trasladou, em 357, de Patos para Constantinopla, as relíquias mortais de santo André, Apóstolo. Elas foram levadas para Roma, onde permanecem até hoje, na Catedral de Amalfi, só no século XIII. Santo André, Apóstolo, é celebrado como padroeiro da Rússia e Escócia.

Encontramos o Messias - das Homilias sobre o Evangelho de João, de São João Crisóstomo, bispo (Hom. 19,1: PG 59,120-121) (Séc.IV)

André, tendo permanecido com Jesus e aprendido com ele muitas coisas, não escondeu o tesouro só para si mas correu depressa à procura de seu irmão, para fazê-lo participar da sua descoberta. Repara o que lhe disse: Encontramos o Messias (que quer dizer Cristo) (Jo 1,41). Vede como logo revela o que aprendera em pouco tempo! Demonstra assim o valor do Mestre que o persuadira, bem como a aplicação e o zelo daqueles que, desde o princípio, já estavam atentos. Esta expressão, com efeito, é de quem deseja intensamente a sua vinda, espera aquele que deveria vir do céu, exulta de alegria quando ele se manifestou, e se apresa em comunicar aos outros a grande notícia.

Repara também a docilidade e a prontidão de espírito de Pedro. Acorre imediatamente. E conduziu-o a Jesus (Jo 1,42), afirma o Evangelho. Mas ninguém condene a facilidade com que, não sem muita reflexão, aceitou a notícia. É provável que o irmão lhe tenha falado pormenorizadamente mais coisas. Na verdade, os evangelistas sempre narram muitas coisas resumidamente, por razões de brevidade. Aliás, não afirma que acreditou logo, mas: E conduziu-o a Jesus (Jo 1,42), e a ele o confiou para que aprendesse com Jesus todas as coisas.Estava ali, também, outro discípulo que viera com os mesmos sentimentos.

Se João Batista, quando afirma: Eis o Cordeiro e batiza no Espírito Santo (cf. Jo 1,29.33), deixou mais clara, sobre esta questão, a doutrina que seria dada pelo Cristo, muito mais fez André. Pois, não se julgando capaz de explicar tudo, conduziu o irmão à própria fonte da luz, tão contente e pressuroso, que não duvidou sequer um momento.

terça-feira, 29 de novembro de 2016

Solidariedade ao povo Chapecoense


Nesse momento de dor, venho em nome da Província Franciscana da Imaculada Conceição me solidarizar com o povo de Chapecó e todos os familiares da delegação da Chapecoense, jornalistas e tripulação do voo da LaMia.

Profundamente ligados à caminhada Evangelizadora do Oeste Catarinense, nós, os franciscanos, sempre procuramos estar junto ao povo e, atualmente, estamos presentes na Diocese de Chapecó a partir das cidades de Coronel Freitas e Xaxim.

A tragédia na Colômbia ceifou vidas e interrompeu sonhos dos atletas que iam em busca de uma conquista inédita.

Por isso, expresso minha profunda tristeza e invoco a bênção divina de consolo e força para todos os que estão sofrendo com esta tragédia.

Frei Fidêncio Vanboemmel,
Ministro Provincial
Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil
Rondinha, 29 de novembro de 2016.

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Santo do dia: Santa Catarina de Alexandria


Virgem mártir (século IV)

A vida e o martírio de Catarina de Alexandria estão de tal modo mesclados às tradições cristãs que ainda hoje fica difícil separar os acontecimentos reais do imaginário de seus devotos, espalhados pelo mundo todo. Muito venerada, o seu nome tornou-se uma escolha comum no batismo, e em sua honra muitas igrejas, capelas e localidades são dedicadas, no Oriente e no Ocidente. O Brasil homenageou-a com o estado de Santa Catarina, cuja população a festeja como sua celestial padroeira.

Alguns textos escritos entre os séculos VI e X , que se reportam aos acontecimentos do ano 305, tornaram pública a empolgante figura feminina de Catarina. Descrita como uma jovem de dezoito anos, cristã, de rara beleza, era filha do rei Costus, de Alexandria, onde vivia no Egito. Muito culta, dispunha de vastos conhecimentos teológicos e humanísticos. Com desenvoltura, modéstia e didática, discutia filosofia, política e religião com os grandes mestres, o que não era nada comum a uma mulher e jovem naquela época. E fazia isso em público, por isso era respeitada pelos súditos da Corte que seria sua por direito.

Entretanto esses eram tempos duros do imperador romano Maximino, terrível perseguidor e exterminador de cristãos. Segundo os relatos, a história do martírio da bela cristã teve início com a sua recusa ao trono de imperatriz. Maximino apaixonou-se por ela, e precisava tirá-la da liderança que exercia na expansão do cristianismo. Tentou, oferecendo-lhe poder e riqueza materiais. Estava disposto a divorciar-se para casar-se com ela, contanto que passasse a adorar os deuses egípcios.

Catarina recusou enfaticamente, ao mesmo tempo que tentou convertê-lo, desmistificando os deuses pagãos. Sem conseguir discutir com a moça, o imperador chamou os sábios do reino para auxiliá-lo. Eles tentaram defender suas seitas com saídas teóricas e filosóficas, mas acabaram convertidos por Catarina. Irado, Maximino condenou todos ao suplício e à morte. Exceto ela, para quem tinha preparado algo especial.

Mandou torturá-la com rodas equipadas com lâminas cortantes e ferros pontiagudos. Com os olhos elevados ao Senhor, rezou e fez o sinal da cruz. Então, ocorreu o prodígio: o aparelho desmontou. O imperador, transtornado, levou-a para fora da cidade e comandou pessoalmente a sua tortura, depois mandou decapitá-la. Ela morreu, mas outro milagre aconteceu. O corpo da mártir foi levado por anjos para o alto do monte Sinai. Isso aconteceu em 25 de novembro de 305.

Contam-se aos milhares as graças e os milagres acontecidos naquele local por intercessão de santa Catarina de Alexandria. Passados três séculos, Justiniano, imperador de Bizâncio, mandou construir o Mosteiro de Santa Catarina e a igreja onde estaria sua sepultura no monte Sinai. Mas somente no século VIII conseguiram localizar o seu túmulo, difundindo ainda mais o culto entre os fiéis do Oriente e do Ocidente, que a celebram no dia de sua morte.

Ela é padroeira da Congregação das Irmãs de Santa Catarina, dos estudantes, dos filósofos e dos moleiros - donos e trabalhadores de moinho. Santa Catarina de Alexandria integra a relação dos quatorze santos auxiliares da cristandade.

Fonte: Paulinas

terça-feira, 22 de novembro de 2016

Santo do dia: Santa Cecília


Cecília, entre as mais populares virgens de Roma, é apresentada como "virgo clarissima" e ao mesmo tempo como esposa do jovem Valeriano. A "Paixão", posterior ao século V, pouco confiável do ponto de vista histórico, estende-se nos particulares para esclarecer a aparente contradição: virgem esposa.

Na noite de núpcias, Cecília confidenciou ao esposo haver consagrado a própria virgindade a Deus, e acrescentou: “Nenhuma mão profana pode tocar-me porque um anjo me protege”. Convidou-o então a seguir seu exemplo, fazendo antes de tudo com que se batizasse.

O contrariado esposo não protestou. E na manhã seguinte dirigiu-se à via Ápia, onde o papa Urbano estava escondido entre os monumentos funerários. Instruído e batizado, voltou depois para a jovem esposa e um anjo colocou em sua cabeça uma coroa de rosas e lírios.

O irmão de Valeriano, Tibúrcio, seguiu seu exemplo, e ambos se consagraram à piedosa obra de sepultar os mártires cristãos. Foram logo presos, processados e condenados à decapitação a quatro milhas fora de Roma. Pelo caminho os dois irmãos conseguiram converter o prefeito Máximo, que colheu com eles a palma do martírio.

Cecília depôs seus corpos em um sarcófago, depois lhe coube dar a Cristo o extremo testemunho. Condenada à fogueira, saiu ilesa do suplício. Passou-se então à decapitação, mas a espada do verdugo não conseguiu cortar-lhe a cabeça. Cecília esperou assim por três dias a visita do papa Urbano e por todo aquele tempo continuou a professar a sua fé ao Deus Uno e Trino, com os dedos da mão, pois não podia proferir uma palavra. Nesta atitude foi esculpida por Maderno a sua célebre estátua.

Antes de morrer, encontrou um modo de encarregar o papa da distribuição de seus bens aos pobres, pedindo-lhe que transformasse sua casa em igreja. Aqui termina a "Paixão". A história averiguou a existência dos mártires Valeriano e Tibúrcio, se bem que seja difícil estabelecer uma relação entre eles e santa Cecília.

O patrocínio da mártir romana à música sacra deveu-se a uma simples frase que se lê na "Paixão", segundo a qual a jovem esposa, no dia das núpcias, “enquanto os órgãos tocavam, cantava em seu coração tão-só para o Senhor”. Aceita-se que suas relíquias, originariamente guardadas nas catacumbas de São Calisto, ao lado da Cripta dos Papas, tenham sido transferidas pelo papa Pascoal I (817-824) para a basílica do Trastévere, a ela dedicada.

Retirado do livro: 'Os Santos e os Beatos da Igreja do Ocidente e do Oriente', Paulinas Editora.

Fonte: Paulinas

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Nossa Senhora da Saúde


A origem da devoção a Nossa Senhora da Saúde tem registro na Idade Média, durante o tempo da peste negra na Europa. Segundo a tradição, em 1599, caiu uma epidemia de peste sobre a população de Sacavém (Portugal) com tamanho impacto, que o número de pessoas mortas foi superior ao espaço disponível junto a Igreja Nossa Senhora da Vitória. Sendo assim, resolveram enterrá-las nas proximidades. Ao abrirem a primeira vala, os coveiros se depararam com uma imagem de Nossa Senhora. O povo logo se reuniu com grande amor e veneração. Aconteceu uma procissão em honra a Mãe de Deus, na intenção de pedir a proteção dela. Ao fim da procissão, a peste cessou. A imagem de Nossa Senhora descoberta na vala passou a ser aclamada Nossa Senhora da Saúde.

Há muitas diversificações na história da devoção a Nossa Senhora da Saúde. Cada uma mais bela e preciosa que a outra. Digo preciosa, porque demonstra que o povo de Deus é piedoso, ama e acredita na intervenção, no auxílio, no refúgio da Mãe de Deus. A fé é a nossa maior riqueza, pois com ela podemos “remover montanhas”.

A Sagrada Tradição venera Maria como a Saúde dos Enfermos. Esse título, assim como os demais, surgiu da fé e da esperança ímpar do povo para com a Mãe de Deus.

O ser humano é marcado pela enfermidade. A doença faz parte da nossa natureza humana. Qualquer enfermidade nos faz sofrer, “Felizes aqueles que dão um verdadeiro sentido ao sofrimento, descobrindo sua dimensão rica de purificação, dando a ele um aspecto cristão”. A dor nos faz crescer. Num mundo de dor, de tantas enfermidades, nos desesperamos, a ponto de ficarmos sem saída. Dessa maneira, podemos perceber a nossa limitação.

Maria está sempre presente para assistir seus filhos que sofrem, cada qual com seu motivo: uns com doenças corporais, outros com doenças espirituais. Assistir os enfermos é característica visível em Maria. Seu Divino Filho Jesus foi como ela. Jesus caminhou por muitos lugares fazendo o bem, curando os enfermos, operando milagres. E Sua Santíssima Mãe também. Não se separa Maria de Jesus. Sempre gosto de dizer que Mãe e Filho são inseparáveis. Quando Maria cuidou de Jesus e também foi cuidada por Ele e por São José. Foi cuidada também por São João Evangelista e hoje ela cuida de nós como Mãe na ordem da graça (Lumen Gentium 61). Vamos cuidar também de Maria, vamos levá-la para a nossa casa. Vamos homenageá-la com nossas manifestações de carinho, chamando-a por suas virtudes sobre nós, pois mãe é mãe em todas as horas, inclusive na hora da angústia. Ela estará sempre conosco.

Muitas vezes buscamos só o prazer. Não queremos sofrer, recusamos o sacrifício. Não queremos a dor. Infelizmente, nós ainda não sabemos sofrer, não oferecemos nossos sofrimentos a Deus, mas um dia aprenderemos...

As imagens de Nossa Senhora da Saúde são muito diferentes, pelo menos no caso do Brasil. Mas o que importa é que o povo de Deus tem uma forte e inexplicável fé na Mãe de Deus - Saúde dos Enfermos.

Geralmente, o único traço iconográfico distintivo da Senhora da Saúde é o segurar com o braço esquerdo o Menino Jesus, à semelhança da Nossa Senhora do Carmo, mas sem qualquer outro adereço (são variadas as indumentárias das diversas Senhoras da Saúde).

sábado, 19 de novembro de 2016

Um Reino chamado amor - Solenidade de Cristo Rei


1ª Leitura: 2 Sm 5,1-3
Sl 121
2ª Leitura: Cl 1,12-20
Evangelho: Lc 23,35-43

35 O povo permanecia aí, olhando. Os chefes, porém, zombavam de Jesus, dizendo: «A outros ele salvou. Que salve a si mesmo, se é de fato o Messias de Deus, o Escolhido!» 36 Os soldados também caçoavam dele. Aproximavam-se, ofereciam-lhe vinagre, 37 e diziam: «Se tu és o rei dos judeus, salva a ti mesmo!» 38 Acima dele havia um letreiro: «Este é o Rei dos judeus.»

39 Um dos criminosos crucificados o insultava, dizendo: «Não és tu o Messias? Salva a ti mesmo e a nós também!» 40 Mas o outro o repreendeu, dizendo: «Nem você teme a Deus, sofrendo a mesma condenação? 41 Para nós é justo, porque estamos recebendo o que merecemos; mas ele não fez nada de mal.» 42 E acrescentou: «Jesus, lembra-te de mim, quando vieres em teu Reino.» 43 Jesus respondeu: «Eu lhe garanto: hoje mesmo você estará comigo no Paraíso.»

* 33-38: Jesus é crucificado como criminoso, entre criminosos. Por entre a curiosidade do povo e a caçoada dos chefes e soldados ecoa a palavra de perdão: os responsáveis pela morte de Jesus devem ser perdoados, porque não conhecem a gravidade e as conseqüências do próprio gesto. O letreiro da cruz, indicando a causa da condenação, proclama para todos a chegada da realeza que dá a vida.
* 39-43: No momento em que tudo parece perdido, Jesus se mostra portador da salvação. Ele anunciou a salvação aos pecadores, durante a sua vida; agora, na cruz, a oferece ao criminoso. Jesus não está sozinho na cruz. Acompanham-no todos aqueles que são condenados por uma sociedade que não aceita o projeto de Deus e que clamam: «Lembra-te de nós!»

Bíblia Sagrada – Edição Pastoral
Um Reino chamado amor – Pe. João Batista Libânio, sj
Às vezes, a liturgia desconserta-nos. O nome dado à festa de hoje é Jesus Cristo, rei do universo. Foi criada no pontificado de Pio XI, um papa poderoso, que enfrentou o nazismo e o fascismo que crescia na Itália. De certa maneira, ele cria essa festa para opor-se aos regimes que propagavam o ateísmo no mundo, pregando contra Deus e a religião. O papa coloca Cristo, forte e poderoso, como rei do universo. Sendo assim, esperávamos uma liturgia que nos mostrasse um Cristo poderoso, descendo das nuvens cercado de anjos e arcanjos tocando trombetas em meio a tempestades, fogo e trovões. Mas, hoje a liturgia nos surpreende e toma um texto da paixão, justamente quando Ele está mais fraco, quando é menos rei, de acordo com os nossos conceitos. Não há nenhuma coroa, a não ser de espinhos; não há cetro, a não ser um pedaço de bambu que lhe puseram nas mãos; não há manto, a não ser sua pele ensanguentada; não há nenhum sinal das realezas mundanas de que ouvimos falar nas histórias dos faraós egípcios, dos césares romanos, até mesmo desses reis modernos, com todo o seu poder, suas carruagens, joias, pompas, súditos. Ele é rei de outra maneira, a ponto de as pessoas zombarem dele. Pilatos, num cinismo horroroso, mandou colocar no alto da cruz uma frase escrita em grego, hebraico e latim: “Este é o Rei dos Judeus”. Certamente, gargalhava, lá da Torre Antônia, poderoso, cercado de tropas, tendo nas mãos o destino daquele Homem crucificado. 

Parece que a liturgia quer trazer-nos para a história, para que a nossa fantasia não se perca num Cristo glorioso, lembrando-nos de que Ele não chegou lá de qualquer maneira. Todos nós queremos a glória, o poder, muitas vezes nos esquecendo dos caminhos que nos conduzem. A teologia atual insiste muito nesta frase: o Cristo glorificado é o mesmo Cristo crucificado. O Jesus da cruz, do sofrimento, da história, aquele que perdoava, curava, que olhou com ternura para a mulher pecadora, que acolheu as crianças, esse Jesus bem nosso, bem humano, bem sensibilidade, é o mesmo que hoje olhamos no céu, vestido de luz, de glória e poder. Só que o poder de Deus tem nome, ao contrário do poder dos homens aqui da Terra, que só pretendem fazer a própria vontade, dispondo-se das pessoas. Deus não tem súditos, pois o seu reinado se chama amor! Ele quer apenas que busquemos a plenitude de nós mesmos. Eu diria mesmo que Jesus é mais rei quanto menor, mais pobre, mais miserável é a pessoa. Ele é rei, primeiramente, para estas crianças, pois foi a elas que acolheu, abraçou, escandalizando os poderosos de sua época. Quando andava pela Palestina, encontrando toda espécie de pobres e miseráveis, era um rei andarilho, como nunca sequer podemos imaginar. Um rei sem carruagem, andando a pé, dormindo ao relento, sem ter casa ou moradia. Tiremos de nosso imaginário essas glórias vazias e voltemo-nos para a grandeza do reinado de Jesus, não para pararmos nele, mas nos perguntar como podemos ser reis e rainhas para os outros. Que sejamos reis e rainhas na busca do simplicidade, do carinho, da acolhida, da oferta gratuita da presença ao outro. Este é um reinado que todos nós podemos ter, no serviço, na entrega gratuita ao Senhor e ao próximo. 

O texto escolhido é finíssimo e eu não poderia deixar de comentar os detalhes. Precisamos de muita atenção para perceber. Lucas coloca ao lado de Jesus dois subversivos que, provavelmente, lutavam contra os desmandos do império romano, ainda que a tradição os chamem de ladrões. São três criminosos que se encontram, pois também Jesus era apresentado como tal. Foi condenado como herege, um excomungado pela religião judaica, alguém que se dizia rei não poderia estar junto de César e deveria morrer. Um desses criminosos significa a história que não entendeu Jesus, é aquele que chamamos impropriamente de mau ladrão. Ele representa a nossa incapacidade de penetrar o mistério de Jesus. 

Quantas vezes somos como esse mau ladrão, incapazes de entender o mistério do Senhor?! O outro também é como nós. Cada um de nós traz um pedaço de cada um deles. Aquele homem, que não fez nenhum curso de teologia, que, provavelmente, nunca teria se encontrado com Jesus, percebe nele alguma coisa diferente. Já pensaram nisso? Imaginem vocês, num presídio, encontrando-se com três criminosos condenados, e, entre eles, percebem um que tem algo diferente. Foi o que aconteceu com aquele bom ladrão. Ele o vê, fisicamente, como ele: criminoso, condenado à morte, um subversivo contra a ordem religiosa e romana. Mas, naquele pedaço de olhar que restara a Jesus, naquele rosto desfigurado que já não guardava nenhuma beleza, naquele corpo rijo pela perda total de sangue, ele consegue ver todo o bem que ele praticara. Diante daquela cena, ele interpela Jesus para que se lembrasse dele ao chegar ao paraíso. 

Será que algum dia teremos coragem de pedir a um bêbado, a um miserável, a uma pessoa desprezada, jogada numa sarjeta, que se lembre de nós? Aquele homem teve essa coragem e recebeu a resposta de que ainda hoje ele estaria no paraíso. Não o hoje do dia da morte, mas de cada dia. Todas as vezes em que pedirmos a um miserável que se lembre de nós junto ao Senhor, hoje, naquele momento, tocaremos o paraíso verdadeiro, não aquele das modas, da futilidade, da exterioridade, mas o paraíso de quem tem o olhar profundo, que consegue perceber que, mesmo nos corações mais miseráveis, existe o lampejo divino. 

Descobrir esse lampejo é descobrir o paraíso de Deus. Amém.

Santo do dia: Santa Inês de Assis


Inês era irmã de Clara, mais nova do que ela, nascida em Assis em 1198. Em princípios de abril de 1212 foi juntar-se à irmã, que quinze dias antes tinha fugido da casa paterna para abraçar o ideal franciscano e se recolher no mosteiro de Santo Ângelo, nas faldas do Subásio, perto de Assis. Os parentes, exasperados com semelhantes gestos, que consideravam um segundo atentado contra o bom nome da família, serviram-se de todos os recursos para tentarem impedi-la de realizar os seus intentos, sem excluírem mesmo a violência física: Inês chegou a ser brutalmente ferida pelo seu tio Monaldo, que teve o atrevimento de violar a clausura e a tranquilidade do mosteiro. Porém, nem mesmo a força bruta conseguiu fazer vergar a jovem. Foi São Francisco quem sugeriu para a nova consagrada o nome de Inês, porque, pela fortaleza de que dera provas, esta jovem de 15 anos recordava a valentia da mártir romana Santa Inês.

Em 1212 São Francisco trouxe as duas irmãs para São Damião. Em 1220 Inês foi enviada para Florença, como abadessa do mosteiro de Monticelli, fundado no ano anterior. Mas muitos outros mosteiros de Clarissas se orgulham de ter hospedado a santa. Mais tarde regressou a São Damião, onde foi agraciada com uma aparição do Menino Jesus, por isso se representa por vezes Santa Inês com o menino Jesus nos braços. Em Assis Inês assistiu à morte da irmã Clara no dia 12 de agosto de 1253.

No coro do pobrezinho convento de São Damião ainda se podem ler os nomes das primeiras companheiras que seguiram as pegadas de Santa Clara e São Francisco pelo caminho da renúncia total e absoluta pobreza. São conhecidos nomes de senhoras e jovens de Assis que em São Damião tiveram o seu primeiro ninho: Hortolana, Inês, Beatriz, Pacífica, Benvinda, Cristiana, Amada, Iluminada, Consolada… Os três primeiros nomes pertencem a mulheres da família de Santa Clara: Hortolana era a sua mãe, e Inês e Beatriz eram suas irmãs.

Inês foi a primeira a seguir o exemplo da irmã Clara, quinze dias depois dela, pouco depois veio a outra irmã, Beatriz, e por fim a mãe Hortolona. Inês, além de ter sido a primeira, também foi a que mais fielmente seguiu a irmã, vivendo à sua sombra luminosa, sempre delicada e obediente, duma firmeza de caráter excepcional, quase viril, em especial na observância da pobreza. Como superiora foi terna e caridosa, mas inflexível e tenaz. Depois do regresso a São Damião, morreu serenamente três meses depois da irmã Santa Clara, a 16 de novembro de 1253, com 55 anos de idade.

Fonte: Província Franciscana

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

São Roque González e Companheiros mártires


Os primeiros mártires das Américas a serem elevados às honras dos altares da Igreja sofreram o martírio em 1628. Na verdade, estes não foram os primeiros mártires do Novo Mundo: três franciscanos já haviam sido mortos pelos habitantes do Caribe, nas Antilhas, em 1516. Entrementes, os primeiros mártires beatificados da América são três jesuítas do Paraguai, entre os quais existe um que nasceu na própria América.

Roque González y de Santa-Cruz era filho de pais espanhóis da nobreza e veio para o Novo Mundo, estabelecendo-se em Assunção, capital do Paraguai, em 1576.

Era um menino excepcional pela sua bondade e espírito religioso, e todos tinham como certo que o jovem Roque se tomaria sacerdote. De fato, foi ordenado com apenas vinte e três anos de idade, mas contra a sua vontade, pois tinha um sentimento profundo da própria indignidade para o sacerdócio. Logo ele começou a se interessar pelos índios do Paraguai, e os procurava nos lugares mais remotos, a fim de lhes pregar o Evangelho e instruí-los no Cristianismo, e depois de dez anos de trabalho apostólico, com o intuito de fugir da promoção eclesiástica e para ter melhores oportunidades e facilidades no trabalho missionário, ingressou na Companhia de Jesus.

Aquele tempo marcou o início das célebres "Reduções" do Paraguai, para a formação das quais o Pe. Roque González desempenhou um papel importante. Estas notáveis instituições eram na realidade colonização de índios cristãos administradas pelos missionários jesuítas, que se consideravam não como muitos outros espanhóis fizeram, os conquistadores e os "senhores" dos índios, mas os tutores e os responsáveis pelo seu bem-estar. Para os jesuítas, os índios não eram súditos ou um povo "inferior", mas simplesmente filhos de Deus desamparados.

Até mesmo o irônico Voltaire ficara impressionado com o trabalho dos jesuítas nas reduções, e escreveu que, "quando as missões do Paraguai perderam a administração dos jesuítas, em 1768, elas tinham alcançado, talvez, o mais alto grau de civilização ao qual é possível levar uma nação jovem ... Nessas missões, o direito era respeitado, a moral era pura, um sentimento fraterno favorável unia as pessoas, as artes úteis e até mesmo uma ciência bem adequada às circunstâncias locais florescia, e havia prosperidade e abundância em toda a parte e em todos os sentidos".

Foi para atingir este estado favorável e estas circunstâncias felizes que o Pe. Roque lutou durante quase vinte anos, enfrentando paciente e corajosamente todas as dificuldades, os perigos e os reveses de toda sorte, as tribos arredias e ferozes e a oposição aberta dos colonizadores europeus. Ele se dedicou de corpo e alma a este trabalho. Durante três anos, ele ficou à frente da Redução de S. Inácio, que foi a primeira delas, em seguida, passou o resto da vida fundando outras reduções, meia dúzia delas, ao todo, na margem leste do rio Paraná e do rio Paraguai. Foi o primeiro europeu que se conhece a ter penetrado em algumas regiões mais remotas da América do Sul.

Em 1628, o Pe. Roque recebeu a companhia de dois jovens jesuítas espanhóis, Alonso (Alphonsus) Rodríguez e Juan del Castillo, e, juntos, os três fundaram uma nova redução às margens do rio Ijuí, dedicada em honra da Assunção de Nossa Senhora. O Pe. Castillo ficou encarregado de dirigí-la, enquanto os outros dois foram até Caaró (no extremo sul do Brasil), onde estabeleceram a redução de Todos os Santos.

Aí tiveram que enfrentar a hostilidade de um poderoso "curandeiro", e, por instigação do mesmo, a missão logo foi atacada. O Pe. Roque estava se preparando para erguer um pequeno campanário, quando chegou o bando de atacantes. Um deles se aproximou pelas costas e o matou a golpes de machadinha desferidos na cabeça. O Pe. Rodríguez ouviu o ruído todo e saiu até junto à porta da sua cabana para ver o que estava acontecendo e se deparou com os selvagens manchados de sangue, que o derrubaram ao solo. "O que estais fazendo, meus filhos?" exclamou ele. A capela de madeira foi incendiada, e os dois corpos foram atirados dentro das chamas. Era o dia 15 de novembro de 1628. Dois dias mais tarde, a missão de Ijuí foi atacada. O Pe. Castillo agarrado e amarrado, barbaramente espancado e apedrejado até morrer.

Os primeiros passos para a beatificação destes missionários foram dados nos primeiros seis meses depois do seu martírio, com a anotação de todos os dados a respeito dos episódios que envolviam os três missionários. Mas todos esses preciosos documentos se perderam, ao que tudo indica, no trajeto até Roma, e durante os duzentos anos seguintes, não se pôde fazer nenhum avanço neste sentido. Parecia que a causa deles estava fadada ao fracasso. Em seguida, na Argentina, foram descobertas cópias dos originais, e em 1934 Roque González, Alonso Rodríguez e Juan del Castillo foram solenemente beatificados. Entre esses documentos antigos, encontrava-se o testemunho de um chefe indígena chamado Guarecupi, segundo o qual "todos os cristãos entre o meu povo gostavam do Padre (Roque) e choraram a sua morte, porque ele era o pai de todos nós, e assim era chamado por todos os índios do Paraná".

Em Caaró, município de Caibaté, se encontra o principal Santuário de veneração dos Santos Mártires das Missões (Roque Gonzalez, Afonso Rodriguez e Juan del Castillo). Em 28 de janeiro de 1934 o Papa Pio XI beatificou os Missionários Mártires, e em 16 de maio de 1988, em visita ao Paraguai, o Papa João Paulo II os declarou Santos.

Dedicação das Basílicas de São Pedro e São Paulo


O ano de 314 inaugura um novo capítulo na história da Igreja. Constantino, depois de haver restituído a paz à Igreja, quis assegurar-lhe o triunfo também exterior sobre as antigas divindades dos pagãos, multiplicando os edifícios do culto cristão. De Constantino a Justiniano nascem as grandes basílicas sob o modelo das basílicas civis.

A basílica de Latrão (cuja dedicação é celebrada em 9 de novembro) e depois a basílica vaticana tornaram-se o sinal do triunfo do cristianismo. A dedicação da basílica de São Pedro foi feita pelo papa Silvestre (314-335), e a da basílica de São Paulo, pelo papa Sirício (384-399).

A memória de sua dedicação não pretende tanto celebrar a finalização do edifício material, que se prolongou nos séculos com várias restaurações, quanto oferecer uma ocasião de refletir sobre a figura e a obra dos dois grandes apóstolos, Pedro e Paulo. Ambos os nomes e sobretudo sua obra de evangelização estão ligados à cidade de Roma, onde deram o supremo testemunho a Cristo com a efusão do próprio sangue.

Roma compartilha com Jerusalém e com Antioquia o privilégio de ter hospedado Pedro durante a pregação. Em Roma Pedro teria vivido 25 anos antes de enfrentar o martírio.

Sua pregação tinha por tema Jesus, a lembrança do tempo passado junto com ele: “Fomos testemunhas oculares da sua grandeza”, escreve na sua segunda carta, e “essa voz nós a ouvimos descer do céu enquanto estávamos com ele sobre o seu santo monte”.

Sob o altar da confissão da basílica vaticana é conservado o túmulo de Pedro crucificado durante a perseguição desencadeada pelo imperador Nero. As escavações mandadas fazer por Pio XII debaixo da basílica permitiram identificar o lugar da sepultura do príncipe dos apóstolos. Nenhuma dúvida, ao contrário, quanto ao túmulo de são Paulo, guardado na basílica a ele dedicada. Quanto à realidade da pregação feita na Cidade Eterna, temos o testemunho direto na Carta aos Romanos.

Retirado do livro: "Os Santos e os Beatos da Igreja do Ocidente e do Oriente", Paulinas Editora.

Fonte: Paulinas

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Niterói acolhe o encontro regional dos benfeitores franciscanos


Frei Alexandre Rohling

No dia 13 de novembro, foi realizado na Paróquia Porciúncula de Santana em Niterói (RJ), o Encontro Regional de Benfeitores Franciscanos. O domingo amanheceu chuvoso, após uma semana de calor intenso. O evento teve início às 9h30, com a missa presidida por Frei Luiz Henrique Ferreira de Aquino, vigário da Paróquia da Porciúncula. 

Depois da missa, os benfeitores dirigiram-se ao salão paroquial para iniciarmos oficialmente o encontro. Como de costume, os participantes foram acolhidos com cantos franciscanos, mantras de animação e cânticos de boas vindas. Como diz o ditado: “Rezar faz bem para a alma e coração.” Rezamos juntos a oração da manhã, em ação de graças pela vida de cada um dos presentes. Iluminados pelo poema Saber viver, de Cora Coralina, os benfeitores refletiram juntos sobre o segredo da vida em ser simplesmente um abraço que envolve e como o poema diz: a vida só tem sentido se tocamos o coração das pessoas. Neste ambiente iniciamos a partilha do tema proposto para este ano: 30 anos pelas vocações – uma linda história. 

Com o auxilio da tecnologia, apresentamos os slides com informações acerca da origem e história do Pró-Vocações e Missões Franciscanas, os frades que passaram por este serviço, números de benfeitores por estados onde estamos presentes, casas de formação da Província, Serviço de Animação Vocacional e um pouco sobre o carisma franciscano. A partir da chamada: “sua ajuda transforma o mundo”, apresentamos aos benfeitores as realidades onde hoje os frades são sinais da presença profética no nosso tempo. Ainda apresentamos algo sobre o Sefras - Serviço Franciscano de Solidariedade e outras obras sociais desenvolvidas pelas nossas fraternidades. Os benfeitores ficaram admirados com a tamanha ajuda que eles nos proporcionam com sua partilha e doação. 

Por fim, apresentamos ainda algumas atitudes ou obras de misericórdia que podemos praticar no dia a dia, a fim de melhorar nossas relações com nossos familiares e amigos. Entre elas: corrigir com amor, valorizar a história de cada um, sorrir, ajudar o próximo e falar para as pessoas o quanto você as ama. Você sabe... E elas? Ainda explicamos para os presentes o modo de rezar e a história da devoção franciscana da coroa das sete alegrias de Nossa Senhora. 

Terminamos o Encontro de Benfeitores Franciscanos por volta das 12h30. Tiramos a foto oficial do encontro e descemos para o salão, onde foi servido um delicioso almoço de confraternização. Agradecemos de forma especial a participação de todos neste evento. De forma terna a benfeitora Célia Estupinham de Araújo, que todos os anos se empenha com a realização de um bingo solidário para ajudar nos custos desse encontro, bem como a todos os voluntários que lá estavam. Ainda nosso fraterno abraço ao pároco, Frei Salésio Lourenço Hillesheim, que sempre nos acolhe benignamente para a realização deste belo dia de encontro e confraternização entre os benfeitores franciscanos. Como disse o senhor Billy: “Frei este encontro sempre fica com gosto de quero mais”. Terminamos este lindo dia pedindo sobre nós as bênçãos do Deus que nos faz todos uma só família. Em nome do Pai, do Filho e do Espirito Santo. Amém. 

Santa Isabel da Hungria


Padroeira da Ordem Franciscana Secular

Diz a lenda que Isabel foi invocada mesmo antes de nascer. Um vidente anunciou seu glorioso nascimento como estrela que nasceria na Hungria, passaria a brilhar na Alemanha e se irradiaria para o mundo. Citou-lhe o nome, como filha do rei da Hungria e futura esposa do soberano de Eisenach (Alemanha).

De fato, como previsto, a filha do rei André, da Hungria, e da rainha Gertrudes, nasceu em 1207. O batismo da criança foi uma festa digna de reis. E a criança recebeu o nome de Isabel, que significa repleta de Deus.

Ela encantou o reino e trouxe paz e prosperidade para o governo de seu pai. Desde pequenina se mostrou de fato repleta de Deus pela graça, pela beleza, pelo precoce espírito de oração e pela profunda compaixão para com os sofredores.

Tinha apenas quatro aninhos quando foi levada para a longínqua Alemanha como prometida esposa do príncipe Luís, nascido em 1200, filho de Hermano, soberano da Turíngia. Hermano se orientava pela profecia e desejava assegurar um matrimônio feliz para seu filho.

Dada a sua vida simples, piedosa e desligada das pompas da corte, concluíram que a menina não seria companheira para Luis. E a perseguiam e maltratavam, dentro e fora do palácio.

Luis, porém, era um cristão da fibra do pai. Logo percebeu o grande valor de Isabel. Não se impressionava com a pressão dos príncipes e tratou de casar-se quanto antes. O que aconteceu em 1221.

A Santa não recuava diante de nenhuma obra de caridade, por mais penosas que fossem as situações, e isso em grau heroico! Certa vez, Luis a surpreendeu com o avental repleto de alimentos para os pobres. Ela tentou esconder… Mas ele, delicadamente, insistiu e… milagre! Viu somente rosas brancas e vermelhas, em pleno inverno. Feliz, guardou uma delas.

Sua vida de soberana não era fácil e freqüentemente tinha que acompanhar o marido em longas e duras cavalgadas. Além disso, os filhos, Hermano, de 1222; Sofia, de 1224 e Gertrudes, de 1227.

Estava grávida de Gertrudes, quando descobriu que o duque Luis se comprometera com o Imperador Frederico II a seguir para a guerra das Cruzadas para libertar Jerusalém. Nova renúncia duríssima! E mais: antes mesmo de sair da Itália, o duque morre de febre, em 1227! Ela recebe a notícia ao dar à luz a menina.

Quando Luis ainda vivia, ele e Isabel receberam em Eisenach alguns dos primeiros franciscanos a chegar na Alemanha por ordem do próprio São Francisco. Foi-lhes dado um conventinho. Assim, a Santa passou a conhecer o Poverello de Assis e este a ter freqüentes notícias dela. Tornou-se mesmo membro da Familia Franciscana, ingressando na Ordem Terceira que Francisco fundara para leigos solteiros e casados. Era, pois, mais que amiga dos frades. Chegou a receber de presente o manto do próprio São Francisco!

Morto o marido, os cunhados tramaram cruéis calúnias contra ela e a expulsaram do castelo de Wartburgo. E de tal forma apavoraram os habitantes da região, que ninguém teve coragem de acolher a pobre, com os pequeninos, em pleno inverno. Duas servas fiéis a acompanharam, Isentrudes e Guda.

De volta ao Palácio quando chegaram os restos mortais de Luís, Isabel passou a morar no castelo, mas vestida simplesmente e de preto, totalmente afastada das festas da corte. Com toda naturalidade, voltou a dedicar-se aos pobres. Todavia, Lá dentro dela o Senhor a chamava para doar-se ainda mais. Mandou construir um conventinho para os franciscanos em Marburgo e lá foi morar com suas servas fiéis. Compreendeu que tinha de resguardar os direitos dos filhos. Com grande dor, confiou os dois mais velhos para a vida da corte. Hermano era o herdeiro legitimo de Luis. A mais novinha foi entregue a um Mosteiro de Contemplativas, e acabou sendo Santa Gertrudes! Assim, livre de tudo e de todos, Isabel e suas companheiras professaram publicamente na Ordem Franciscana Secular e, revestidas de grosseira veste, passaram a viver em comunidade religiosa. O rei André mandou chamá-las, mas ela respondeu que estava de fato feliz. Por ordem do confessor, conservou alguma renda, toda revertida para os pobres e sofredores.

Construiu abrigo para as crianças órfãs, sobretudo defeituosas, como também hospícios para os mais pobres e abandonados. Naquele meio, ela se sentia de fato rainha, mãe, irmã. Isso no mais puro amor a Cristo. No atendimento aos pobres, procurava ser criteriosa. Houve época, ainda no palácio, em que preferia distribuir alimentos para 900 pobres diariamente, em vez de dar-lhes maior quantia mensalmente. É que eles não sabiam administrar. Recomendava sempre que trabalhassem e procurava criar condições para isso. Esforçava-se para que despertassem para a dignidade pessoal, como convém a cristãos. E são inúmeros os seus milagres em favor dos pobres!

De há muito que Isabel, repleta de Deus, era mais do céu do que da terra. A oração a arrebatava cada vez mais. Suas servas atestam que, nos últimos meses de vida, frequentemente uma luz celestial a envolvia. Assim chegou serena e plena de esperança à hora decisiva da passagem para o Pai. Recebeu com grande piedade os sacramentos dos enfermos. Quando seu confessor lhe perguntou se tinha algo a dispor sobre herança, respondeu tranquila: “Minha herança é Jesus Cristo !” E assim nasceu para o céu! Era 17 de novembro de 1231.

Sete anos depois, o Papa Gregório IX, de acordo com o Conselho dos Cardeais, canonizou solenemente Isabel. Foi em Perusa, no mesmo lugar da canonização de São Francisco, a 26 de maio de 1235, Pentecostes. Mais tarde foi declarada Padroeira da Ordem Franciscana Secular.

Fonte: Província Franciscana


domingo, 13 de novembro de 2016

São Diogo de Alcalá - Santo franciscano


Religioso da Primeira Ordem (1400-1463). Canonizado por Sixto V no dia 2 de julho 1588.

Diogo nasceu pelo ano de 1400 em São Nicolau do Porto, na região espanhola de Andaluzia. Sentindo desde muito novo inclinação para vida solitária e penitente, durante vários anos viveu como eremita junto da igreja de São Nicolau, no seu torrão de natal. No entanto, à oração e contemplação aliava o trabalho manual, como cultivo de uma horta e a confecção de cestos de vime e pequenos utensílios para uso doméstico, os lucros desses trabalhos destinava-os por inteiro a ajudar os pobres. A fama de sua virtude estendeu-se a povoações vizinhas, e passou a ser venerado por muita gente.

Entretanto começou a sonhar em voos mais altos, e resolveu ingressar na ordem dos frades menores. Dirigiu-se nesse intuito a um convento próximo de Córdova, onde foi admitido ao noviciado, e a seu tempo à profissão dos votos religiosos. Exerceu vários ofícios humildes em diversos conventos da província religiosa, até que em 1441 foi enviado às Canárias para evangelizar os nativos, que tinham recaído em superstições e idolatrias. Só por obediência aceitou o cargo de guardião de um convento para o qual fora eleito em 1446. Dedicou-se com especial empenho a defender os indígenas da exploração por parte dos conquistadores, que por isso mesmo lhe levantaram muitas dificuldades e causaram muitas contrariedades, a ponto de em 1449 pedir autorização para regressar à Espanha. No ano seguinte em 1450, foi com um confrade a Roma, para ganhar o jubileu e assistir à canonização de São Bernardino de Sena.

Aconteceu que o convento romano de Araceli, onde os dois religiosos se tinham hospedado, foi atingido pela epidemia que nesse ano flagelou a cidade de Roma, e quase todos os frades, que eram muitos, caíram doentes. Diogo desfez-se em cuidados para com eles, quer a respeito de tratamentos, quer para providenciar ao sustento necessário, que era escasso, apesar das providências tomadas pelas autoridades públicas. Foi um autêntico herói nesse apostolado de caridade, cuidando dos doentes e socorrendo os pobres mais afetados pela carestia resultante da peste. Chegou a curar muitos enfermos pelo simples contato das mãos, untada no azeite da lâmpada colocada junto à imagem de Nossa Senhora.

Ao voltar à pátria, viveu de novo em diversos conventos antes de a morte lhe abrir as portas do céu, em Alcalá de Henares, perto de Madrid, a 12 de novembro de 1463, aos 63 anos de idade. A fama de santidade de vida desse humilde irmão leigo franciscano, unida aos muitos milagres que Deus por sua intercessão realizou, levou Sisto V a inscrevê-lo no catálogo dos santos, a 2 de julho de 1558.

São Diogo de Alcalá fez reviver a figura daqueles irmãos, simples e humildes, que nos tempos do franciscanismo primitivo foram o orgulho e a alegria de São Francisco, que no trabalho, no silêncio e na penitência conquistavam almas para Cristo. Na ordem franciscana é venerado como especial patrono dos irmãos não clérigos.

Fonte: Província Franciscana

sábado, 12 de novembro de 2016

A crise não é acidente de percurso, é a essência da vida


33º domingo do Tempo Comum

O fim ainda não chegou (Lc 21, 5-19).

5 Algumas pessoas comentavam sobre o Templo, enfeitado com pedras bonitas e com coisas dadas em promessa. Então Jesus disse: 6 «Vocês estão admirando essas coisas? Dias virão em que não ficará pedra sobre pedra. Tudo será destruído.» 7 Eles perguntaram: «Mestre, quando vai acontecer isso?

Qual será o sinal de que essas coisas estarão para acontecer?» 8 Jesus respondeu: «Cuidado para que vocês não sejam enganados, porque muitos virão em meu nome, dizendo: ‘Sou eu!’ E ainda: ‘O tempo já chegou’. Não sigam essa gente. 9 Quando vocês ouvirem falar de guerras e revoluções, não fiquem apavorados. Primeiro essas coisas devem acontecer, mas não será logo o fim.» 10 E Jesus continuou: «Uma nação lutará contra outra, um reino contra outro reino. 11 Haverá grandes terremotos, fome e pestes em vários lugares. Vão acontecer coisas pavorosas e grandes sinais vindos do céu.»

12 «Mas, antes que essas coisas aconteçam, vocês serão presos e perseguidos; entregarão vocês às sinagogas, e serão lançados na prisão; serão levados diante de reis e governadores, por causa do meu nome. 13 Isso acontecerá para que vocês dêem testemunho. 14 Portanto, tirem da cabeça a ideia de que vocês devem planejar com antecedência a própria defesa; 15 porque eu lhes darei palavras de sabedoria, de tal modo que nenhum dos inimigos poderá resistir ou rebater vocês. 16 E vocês serão entregues até mesmo pelos próprios pais, irmãos, parentes e amigos. E eles matarão alguns de vocês. 17 Vocês serão odiados por todos, por causa do meu nome. 18 Mas não perderão um só fio de cabelo. 19 É permanecendo firmes que vocês irão ganhar a vida!»

* 12-19: A relação entre Deus e os homens continua através dos discípulos, que devem prosseguir a missão de Jesus pelo testemunho. Contudo, assim como Jesus encontrou resistência, também eles: serão perseguidos, presos, torturados, julgados e até mesmo mortos por continuarem a ação de Jesus. Mas não devem ficar preocupados com a própria defesa. O importante é a coragem de permanecer firmes até o fim.

Bíblia Sagrada – Edição Pastoral

A crise não é acidente de percurso, é a essência da vida – Pe. Adroaldo Palaoro

Aproxima-se o final de mais um ciclo litúrgico e a celebração eucarística deste domingo nos situa diante do último discurso de Jesus, anunciando a queda do Templo de Jerusalém e a presença das crises.

As crises são situações de passagem e fazem parte do crescimento humano, tanto pessoal como coletivo. Não há desenvolvimento sem períodos de ruptura e de descontinuidade. Mas, muitos permanecem paralisados diante do seu caráter ameaçante; acabam por retrair-se e isolar-se no medo.

No entanto, a crise revela uma excelente oportunidade para dispor-nos a avançar, dando um salto qualitativo e de crescimento. Inclusive ela pode ser ocasião propícia para ativar recursos e potencialidades latentes que em tempos de aparente harmonia ainda não tiveram chance de se manifestar. Em cada situação crítica que parece bloquear o caminho, saímos mais humanos e mais criativos.

Nas diversas sabedorias e culturas, como também na psicologia, sociologia, espiritualidade... as crises não só são inevitáveis, mas necessárias e convenientes, porque indicam a passagem de uma etapa a outra. Esta passagem é sempre incômoda, difícil e, inclusive, perigosa porque os elementos que tinham encontrado seu equilíbrio se desestabilizam. Necessita-se habilidade, coragem, tempo e paciência para que se encontre de novo a harmonia. As crises, portanto, não são acidentes de percurso, são a essência mesma do caminho.

O perigo está em permanecer nas manifestações externas e nas evidências imediatas da crise (terremotos, fomes, sinais pavorosos...), conduzindo-nos ao desespero e a sensação de perder o solo sob nossos pés. Só quem desce às profundezas de seu ser encontrará solo firme sobre o qual manter-se inabalável. O furacão revela um núcleo interior de calma e serenidade, enquanto ao seu redor espalha destruição e violência. O mar, nas suas profundezas encontra-se tranquilo, enquanto na superfície as ondas mostram-se agitadas.

A vida está atravessada por um misterioso impulso de “sempre mais”, dinamismo que caracteriza a essência do existir humano; ela está em permanente desenvolvimento e as convulsões fazem parte do processo de mudança e crescimento.

Em tempos de crise, tudo aquilo que nos dava segurança, parece desmoronar-se: o horizonte fica obscurecido, os valores perdem credibilidade, tudo passa por desestabilizações, rupturas, novas adaptações. Tal situação gera insegurança, medo, impotência e experiência de fracasso: projetos se esvaziam, a esperança se atrofia, a criatividade se petrifica...

O crescimento do ser humano não é linear senão que transcorre através de uma sucessão de rupturas.

A primeira é o nascimento, a crise maior de nossa vida, juntamente com a morte, que é a última. Nossa existência é um percurso entre duas rupturas nas quais se dá uma mudança qualitativa entre um modo de ser a outro. Nascer supõe abandonar o ventre materno para expor-se ao desafio da individualidade; morrer supõe deixar esta individualidade para entrar em outro modo de existência. Cada etapa de crescimento suporá um tipo de crise. Assim avança a vida, abrindo-se caminho sem cessar à custa de deixar os territórios familiares para adentrar-se nos inexplorados.

Atribui-se a Albert Einstein as seguintes palavras: “Não pretendamos que as coisas mudem se sempre fazemos o mesmo. A crise é a melhor benção que pode acontecer às pessoas e aos países, porque a crise traz progressos. A criatividade nasce da angústia, como o dia nasce da noite escura. É na crise onde nasce a inventividade, as descobertas e as grandes estratégias. Quem supera a crise, se supera a si mesmo sem ficar superado. Sem crises não há desafios e a vida torna-se uma rotina, uma lenta agonia”.

O Evangelho de hoje (33º Dom TC) convida a não permanecer na casca da vida. Jesus nunca fica na superfície das coisas; sempre vai às raízes. É mais fácil nadar à superfície da água que mergulhar nas profundidades.

Transitamos na casca da vida e esquecemos a verdade da vida; dá medo nos perguntar por aquilo que é essencial; preferimos, muitas vezes, permanecer no superficial, no acidental.

Quando resistimos encontrar com o essencial, afastamo-nos do nosso próprio ser original; quando fugimos do essencial vivemos no vazio. Porque, encontrar-nos com o essencial é deparar-nos com nossa verdade. E isso é doloroso. Custa-nos olhar no espelho de nossa verdade. E se temos medo da própria interioridade, ficamos à mercê dos ventos, tempestades e terremotos. Tudo parece sem solo, nada confere firmeza.
Os tempos difíceis e de crises não devem ser tempos de lamentos ou de desânimo. Não é a hora da resignação, da passividade ou da fuga. A ideia de Jesus é outra: em tempos de crise “tereis ocasião de testemunhar a vossa fé”. É então, precisamente, quando nos é oferecida a melhor ocasião de dar testemunho de nossa adesão a Ele e a seu projeto.

Pertence à crise o aspecto dramático e a sensação da perda dos pontos de orientação. Por isso se impõe a coragem de saber esperar o decantamento da água turva (“em tempo de crise não se toma decisão”).

O tempo de crise revela-se também como o momento para cultivar um estilo de vida cristã, paciente e tenaz, que nos ajude a responder às novas situações e desafios sem perder a paz nem a lucidez. É tempo de discernimento que possibilita uma nova forma de vida.

Jesus, ao falar da destruição do Templo de Jerusalém não estava interessado na destruição dos edifícios, e sim, na destruição da vaidade e do orgulho humano; não vislumbrou a ruína dos muros e das pedras, e sim a ruína da vanglória. Sua presença rompe muralhas, afasta as pedras que impediam a manifestação da Vida.

Em Jesus ocorre algo totalmente novo. Ele traz uma nova maneira de viver que não cabe nos nossos esquemas; o Evangelho é uma novidade que rompe velhas muralhas.

Dizer: “não ficará pedra sobre pedra” é o mesmo que dizer: “não ficará orgulho sobre orgulho, opressão sobre opressão, injustiça sobre injustiça…” Há muitas pessoas encerradas em seus próprios muros, fechadas em si mesmas, em seus interesses, vivendo um universo de egoísmo e exclusão. Vivem separadas dos outros e, quando encontram pessoas semelhantes, criam verdadeiras muralhas ao seu redor.

Cobrimo-nos de pedras, rodeamos nosso coração de muros, construímos muralhas que nos afastam dos outros e de Deus. É isso que somos convidados a fazer: destruir o templo de Jerusalém da solidão, fechamento, angústia, alienação, indiferença, rancor, medo e insegurança…

Precisam desaparecer os templos abusivos onde adoramos o nosso “eu” e idolatramos a riqueza, o poder, o prestígio… É preciso derrubar as muralhas do preconceito, das ideias fixas, dos modos fechados de viver..., que impedem o fluir da vida. A Vida que habita em cada um de nós. Há uma força interior que quer romper a casca e transbordar numa explosão vital multiplicadora. É sobre as cinzas de nossas míseras ambições que o Reino de Deus plantará suas raízes.

Texto bíblico: Lc 21,5-19

Na oração: Para Jesus, a verdadeira beleza não está nas pedras do templo, mas na nossa interioridade, “casa de Deus e espaço de oração”. É o único lugar que permanece tranquilo e sólido diante das sacudidas existenciais provocadas pelas crises.

- Como você reage diante de suas crises: na fé, no sentido da vida, nos relacionamentos?

Pe. Adroaldo Palaoro sj  | Fonte: Centro Loyola BH

Confira a reflexão de Frei Gustavo Medella para este 33º domingo do Tempo Comum.

 

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Papa em Santa Marta: o amor cristão é concreto, não é amor de novela


Cidade do Vaticano – O amor do cristão é concreto, não é o amor “soft” de uma novela. Foi o que afirmou o Papa Francisco na Missa celebrada na manhã de sexta-feira, 11 de novembro, na Casa Santa Marta.

O Pontífice se inspirou nas leituras do dia para falar sobre a natureza do amor cristão. Antes de tudo, o Papa recordou o mandamento que recebemos do Senhor, que é caminhar no amor. "Mas de que amor estamos falando?", questionou. "Esta palavra é usada hoje para tantas coisas. Fala-se de amor num romance ou numa novela, de amor teórico."

O critério do amor cristão é a Encarnação do Verbo

Mas qual seria “o critério do amor cristão?” O critério, destacou ele, “é a Encarnação do Verbo”. E quem nega isso, quem não o reconhece é o "anticristo!”:

“Um amor que não reconhece que Jesus veio em Carne, na Carne, não é o amor que Deus nos comanda. É um amor mundano, é um amor filosófico, é um amor abstrato, é um amor pequeno, é amor soft. Não! O critério do amor cristão é a Encarnação do Verbo. Quem diz que o amor cristão é outra coisa, este é o anticristo! Que não reconhece que o Verbo veio na Carne. E esta é a nossa verdade: Deus enviou o seu Filho, se encarnou e fez uma vida como nós. Amar como Jesus amou; amar como Jesus nos ensinou; amar com o exemplo de Jesus; amar, caminhando na estrada de Jesus. E a estrada de Jesus é dar a vida”.

“A única maneira de amar como Jesus amou – prosseguiu o Papa – é sair continuamente do próprio egoísmo e ir a serviço dos outros”. E isso porque o amor cristão “é um amor concreto, porque concreta é a presença de Deus em Jesus Cristo”.

As ideologias sobre o amor escarnecem a Igreja

Francisco advertiu que quem vai além desta “doutrina da carne”, da Encarnação, “não permanece na doutrina de Cristo, não possui Deus”:

“Este ir além é um mistério: é sair do Mistério da Encarnação do Verbo, do Mistério da Igreja. Porque a Igreja é a comunidade em torno da presença de Cristo, que vai além. Essa é uma palavra forte, certo? Quem vai “proagon”, que caminha além. E a partir daí nascem todas as ideologias: as ideologias sobre o amor, as ideologias sobre Igreja, as ideologias que tiram da Igreja a Carne de Cristo. Essas ideologias escarnecem a Igreja! "Sim, eu sou católico; sim, sou um cristão; eu amo todo o mundo com um amor universal '... Mas é tão etéreo. Um amor é sempre dentro, concreto e não para além desta doutrina da Encarnação do Verbo”.

Francisco, em seguida, afirmou que “quem quer amar não como Cristo ama sua noiva, a Igreja, com a própria carne e dando a vida, ama ideologicamente”. E esse modo de “fazer teorias e ideologias - acrescentou -, também propostas de religiosidade que retiram a Carne de Cristo, que retiram a Carne à Igreja, vão além e arruínam a comunidade, arruínam a Igreja”.

O amor cristão é concreto, evitar o intelectualismo

O Papa advertiu ainda que “se começarmos a teorizar sobre o amor”, chegaremos à “transformação” do que Deus “quis com a Encarnação do Verbo, chegaremos a um Deus sem Cristo, um Cristo sem Igreja e a uma Igreja sem povo. Tudo neste processo de escarnecer a Igreja":

“Rezemos ao Senhor para que a nossa caminhada no amor nunca - nunca! – faça de nós um amor abstrato. Mas que esse amor seja concreto, com as obras de misericórdia, com as quais se toca a carne de Cristo ali, de Cristo Encarnado. É por isso que o diácono Lourenço disse: “Os pobres são o tesouro da Igreja!”. Por quê? Porque eles são a carne sofredora de Cristo! Vamos pedir esta graça de não ir além e não entrar neste processo, que talvez seduz muitas pessoas, de intelectualizar, de ideologizar esse amor, escarnecendo a Igreja, escarnecendo o amor cristão. E não chegar ao triste espetáculo de um Deus sem Cristo, de um Cristo sem Igreja e de uma Igreja sem povo”. 

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Dedicação da Basílica do Latrão


A igreja “mãe de todas as igrejas da Urbe e do Orbe” surge nas encostas do Célio, o monte dos luzeiros — uma das sete colinas sobre as quais ocorreram fatos decisivos para a civilização romana. Daí partiam as antigas estradas do Lácio e as vias consulares, como a Regina viarum, a via Ápia.

Sobre essa colina tinham-se estabelecido as ilustres famílias dos Valérios, dos Vetílios e dos Lateranos, posto que o Palatino era reservado à família imperial. Contudo, também as "egregiae domum Lateranorum" foram confiscadas por Nero, quando Pláucio Laterano foi acusado de haver participado da conjura de Pisão.

Com Septímio Severo, no fim do século II, parte dos Lateranos voltou aos antigos proprietários e parte continuou com o imperador. É esta parte que Constantino doou ao bispo de Roma para construir precisamente a primeira basílica cristã, fundada pelo papa Melcíades (311-314), ao lado do palácio que até então fora residência imperial.

Pouco restou em pé da antiga basílica constantiniana: o batistério e os muros perimetrais da basílica, cuja consagração é celebrada solenemente a cada ano. É de fato a primeira esplêndida domus Dei, embora houvesse anteriormente outros lugares públicos nos quais os cristãos se reuniam para celebrar a Eucaristia.

Existe um testemunho singular a tal propósito, no início do século III, quando Alexandre Severo foi chamado em causa e deu razão a uma comunidade cristã em um processo contra um hospedeiro que reclamava contra a transformação de uma hospedaria em lugar de culto cristão. De qualquer forma, tratava-se de modestos edifícios. Deve-se aos grandiosos projetos de Constantino a construção da basílica (ou casa do rei) dedicada inicialmente ao Salvador e sucessivamente ao Batista e a são João apóstolo.

A antiga catedral do papa, da qual se conserva a cátedra de mármore no claustro medieval, sofreu várias transformações no decurso dos séculos. O pontificado que deixou maiores obras é o de Inocêncio X (1644-1655), durante o qual Borromini renovou completamente a nave central e as laterais.

Fonte: Paulinas

sábado, 5 de novembro de 2016

A santidade ao alcance de cada um


1ª Leitura - Ap 7,2-4.9-14
Salmo - Sl 23(24),1-2.3-4ab.5-6 (R. cf. 6)
2ª Leitura - 1Jo 3,1-3
Evangelho - Mt 5, 1-12a

Naquele tempo:
Vendo Jesus as multidões, subiu ao monte e sentou-se.
Os discípulos aproximaram-se,
e Jesus começou a ensiná-los:
'Bem-aventurados os pobres em espírito,
porque deles é o Reino dos Céus.
Bem-aventurados os aflitos,
porque serão consolados.
Bem-aventurados os mansos,
porque possuirão a terra.
Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça,
porque serão saciados.
Bem-aventurados os misericordiosos,
porque alcançarão misericórdia.
Bem-aventurados os puros de coração,
porque verão a Deus.
Bem-aventurados os que promovem a paz,
porque serão chamados filhos de Deus.
Bem-aventurados os que são perseguidos
por causa da justiça,
porque deles é o Reino dos Céus.
Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem
e perseguirem, e mentindo,
disserem todo tipo de mal contra vós, por causa de mim.
Alegrai-vos e exultai,
porque será grande a vossa recompensa nos céus.
Palavra da Salvação.

A santidade ao alcance de cada um – Pe. João Batista Libânio, sj

A Festa de Todos os Santos abarca não apenas os santos que estão no céu, mas também um pouquinho de cada um de nós que está aqui na terra. Hoje, a liturgia nos apresenta três retratos diferentes sobre que coisa é ser santo.

O primeiro é um retrato glorioso, mostrado por um discípulo de João que escreveu o Apocalipse. Ele fecha os olhos, e sua imaginação começa a funcionar. Imagina o trono esplendoroso de Deus, o grande Javé, o Deus maior, ao lado de seu Filho, na forma de Cordeiro, não mais sangrando na cruz, mas já glorioso, e o Espírito Santo – a corte divina, tendo ao lado quatro anciãos, que podemos imaginar como sendo os quatro evangelistas. A ideia de ancião não se mede pela idade, pois há muito velho caduco querendo parecer jovem, e muito jovem envelhecido por ter perdido o gosto pela vida. Nós, sacerdotes, somos anciãos, mesmo os que ainda são jovens, pois estamos junto às comunidades para ajudar.

Presbyteros/presbyter em grego e em latim, significa presbítero – sacerdotes, padres. Para a Escritura, o que interessa é aquele que carrega a experiência, a vida, o amor, o encanto, aquele que sabe comunicar-se, passar alegria e entusiasmo para quem dele necessita. E todos nós, jovens e velhos, deveríamos ter um pouco desse ancião, um pouquinho dessa beleza, dessa transparência, para passar para os outros alguma coisa que os faça crescer. As pessoas estão muito sofridas, muito cortadas, podadas, necessitando de vigor, de uma força interior que as faça erguer. Vocês, jovens, precisam de mestres em suas vidas! Vocês têm desorientadores demais, sites inconvenientes aos bilhões, e falta-lhes alguém que lhes aponte o caminho do bem, da beleza e da verdade.

João continua apresentando uma multidão gigantesca – cento e quarenta e quatro mil pessoas, evidentemente, um número que simboliza as doze tribos de Israel –, todo o povo de Israel salvo diante do trono, pois, para a Bíblia, mil significa o infinito inumerável. Todos vestem uma túnica branca, símbolo da vitória sobre as batalhas da existência, todas as dores e sofrimentos por que passamos aqui. O Cordeiro olha para aquelas túnicas e vê que, paradoxalmente, elas haviam sido alvejadas no seu próprio sangue. É um sangue vermelho, mas que purifica a todos nós. Era uma multidão gigantesca de todos os que haviam morrido em Cristo. Nesse primeiro quadro dos santos, imagino os nossos pais, avós, todas as pessoas que já morreram e estão nesse grande cortejo.

Num segundo retrato, São João olha para dentro de nós, que não temos consciência da glória que trazemos em nosso interior. Tudo aquilo que o Apocalipse descreveu está dentro de nós, só que oculto, mas um dia há de se revelar. É a glória, a beleza, a santidade que está oculta no coração de cada um de vocês que está aqui, e que será revelado, quando um dia nos encontrarmos no esplendor da glória celeste. É a santidade chegando mais perto. Se conseguíssemos ver a beleza que existe dentro de cada um de nós, ficaríamos cegos, pois os nossos olhos são pequenos.

O terceiro retrato mira mais longe ainda e não vê apenas os cristãos que, pelo batismo, já trazem a presença de Jesus dentro de si. É uma santidade que vê até mesmo aqueles que nem foram batizados, nem chegaram a conhecer Jesus, como um Gandhi (*), por exemplo. Sabem que no Oriente vivem mais de um bilhão de pessoas que nunca ouviram falar em Jesus? Mas entre elas há pessoas que trabalham pela justiça, pela paz, são misericordiosas, têm um olhar transparente e um dia verão a Deus. É uma santidade que contempla também aqueles que cuidam dos pobres, que são mansos até mesmo quando se grita contra eles. Portanto, as bem-aventuranças nos tecem um quadro de todas as pessoas que viveram uma dessas virtudes. Esse terceiro retrato mostra quais são os que estão caminhando para o reino da verdadeira santidade.

Hoje é a festa dos gloriosos retratados no Apocalipse, é um pouco também a festa de cada um de nós que traz a graça escondida dentro de si e que realiza um pouco dessas bem-aventuranças que acabamos de ouvir. Ainda que sejamos caluniados, perseguidos, injustiçados, dentro de nós nenhuma mentira baterá, pois prevalecerá a nossa verdade, que um dia brilhará eternamente. Amém.

sexta-feira, 4 de novembro de 2016

Apoiar os países que acolhem os refugiados, pede Papa Francisco


Cidade do Vaticano - Foi divulgado o penúltimo vídeo do ano, com as intenções do Papa e do Apostolado da Oração para o mês de novembro.

A intenção deste mês é rezar pelos países que acolhem os refugiados. O Papa questiona: “Pode um país enfrentar sozinho as dificuldades provocadas pela emigração forçada? Devemos passar da indiferença e do medo à aceitação do outro”, e acrescenta: "porque esse outro podias ser tu ou eu".

O vídeo mostra diversos imigrantes em variadas situações, na saída de seus países e exercendo profissões como policial, médico e jornalista. Incluiu também diversas cenas do Papa com refugiados, durante suas viagens apostólicas. 

Confira:


Santo do dia: São Carlos Borromeu



Carlos, o segundo filho de Gilberto, nasceu aos 2 de outubro de 1538. Menino ainda revelou ótimo talento e uma inteligência rara. Ao lado destas qualidades, manifestou forte inclinação para a vida religiosa, pela piedade e o temor a Deus. Era seu prazer construir altares minúsculos, diante dos quais, em presença dos irmãos e companheiros de idade, imitava as funções sacerdotais que tinha observado na Igreja. Era mero brinquedo infantil. O amor à oração e o aborrecimento aos divertimentos profanos, eram sinais mais positivos da vocação sacerdotal. O ano de 1562 veio a Carlos a graça do sacerdócio.

No silêncio da meditação, lançou Carlos planos grandiosos para a reorganização da Igreja Católica. Estes todos se concentraram na ideia de concluir o Concílio de Trento. De fato, era o que a Igreja mais necessitava, como base e fundamento da renovação e consolidação da vida religiosa. Carlos, sem cessar, chamava a atenção do velho tio para esta necessidade, reclamada por todos os amigos da Igreja. De fato, o Concílio se realizou, e não exageramos se apontamos Carlos como força motriz daquela grandiosa atuação da vida católica.

Carlos quis ser o primeiro a executar as ordens da nova lei, ainda que por esta obediência tivesse de deixar a posição, para ocupar outra inferior.  Carlos sabia muito bem que a caridade abre os corações também à religião. Por isto foi que grande parte da receita pertencia aos pobres, reservando ele para si só o indispensável. Heranças ou rendimentos que lhe vinham dos bens de família, distribuía-os entre os desvalidos. Tudo isto não aguenta comparação com as obras de caridade que o arcebispo praticou, quando em 1569-1570 a fome e uma epidemia, semelhante à peste, invadiram à cidade de Milão.

Não tendo mais do seu para dar, pedia em pessoa esmolas para os pobres e abria assim fontes de auxílio, que teriam ficado fechadas. Quando, porém, em 1576 a cidade foi visitada pela peste, e o povo abandonado pelos poderes públicos, não tinha outro recurso senão o bispo; este, para não falar na ereção de hospitais e lazaretos que mantinha, visto que ninguém se compadecia do povo, ainda procurava os pobres doentes de que ninguém lembrava, consolava-os e dava-lhes os santos sacramentos.

Tendo-se esgotado todas as fontes de recurso, Carlos lançou mão de tudo o que possuía, para amenizar a triste sorte dos doentes. Mais de cem sacerdotes tinham pago com a vida, na sua dedicação e serviço aos doentes. Deus conservava a vida do arcebispo, e este se aproveitou da ocasião para dizer duras verdades aos ímpios e ricos esquecidos de Deus.

Gregório XIII, como infundadas não só rejeitou as acusações, mas ainda recebeu Carlos Borromeu em Roma, com as mais altas distinções. Em resposta a este gesto do Papa, o governador de Milão, organizou no primeiro domingo da Quaresma de 1579, um indigno préstito, carnavalesco pelas ruas de Milão, precisamente à hora da missa do arcebispo. O mesmo governador, que tanta guerra ao Prelado movera, e tantas hostilidades contra São Carlos estimulara, no leito de morte reconheceu o erro e teve o consolo da assistência do santo bispo na hora da agonia.

Seu sucessor, Carlos de Aragão, duque de Terra Nova, viveu sempre em paz com a autoridade eclesiástica. O arcebispo gozou deste período só dois anos. Quando em outubro de 1584, como era de costume, se retirara para fazer os exercícios espirituais, teve fortes acessos de febre, a que não ligava importância e dizia: “Um bom pastor de almas, deve saber suportar três febres, antes de se meter na cama”. Os acessos renovaram-se e consumiram as forças do arcebispo.

Provido dos santos sacramentos, expirou aos 3 de novembro de 1584. Suas últimas palavras foram: “Eis Senhor, eu venho, vou já”. São Carlos Borromeu tinha alcançado a idade de apenas 46 anos, e a sua morte foi muito pranteada. Para evitar uma inscrição pomposa na campa, tinha determinado no testamento que, no túmulo, lhe lessem as seguintes palavras: “Carlos, Cardeal, com o título de Santa Praxedes, arcebispo de Milão, que se recomenda à oração fervorosa do clero, do povo e do sexo feminino piedoso, em vida escolheu este monumento para si”. Paulo V, canonizou-o em 1610 e fixou-lhe a festa para o dia 04 de novembro. O Corpo do santo em boa conservação repousa na cripta do “duomo”, de Milão.

A Igreja também celebra hoje a memória dos santos: Claro e Vital.

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Santo do dia: São Martinho de Lima


Filho ilegítimo de João de Porres, nobre espanhol pertencente à Ordem de Alcântara e descendente de cruzados, e de Ana Velásquez, negra alforriada, Martinho nasceu no princípio de dezembro de 1579, em Lima, no Peru. Na sua certidão de batismo constou “pai ignorado”. O mesmo aconteceu com sua irmãzinha, filha do mesmo pai. Mas depois Juan de Porres regularizou a situação e viveu ainda algum tempo com os filhos, no Equador. Quando foi transferido para o Panamá como governador, deixou a menina aos cuidados de um parente e Martinho com a própria mãe, além de meios de sustento e para que estudasse um pouco.

De temperamento dócil e piedoso, desde pequeno foi ensinado pelo Espírito Santo na escola dos santos. Aos oito anos de idade, Martinho tornou-se aprendiz de barbeiro-cirurgião, duas profissões de respeito na época, aprendendo numa farmácia algumas noções de medicina. Cedo, a vocação religiosa falou mais alto e, com muito custo, conseguiu professar como irmão leigo, vestindo o hábito dominicano. Nunca ocioso e procurando sempre servir aos outros, o tempo parecia aumentar para Frei Martinho. Além de cuidar da enfermaria, varria todo o convento, cuidava da rouparia, cortava o cabelo dos duzentos frades, e era o sineiro, dispensando ainda de seis a oito horas por dia à oração. Chegou a adquirir algumas vezes as qualidades dos corpos gloriosos, e entrava através das portas fechadas ou mesmo das paredes, em aposentos onde sua presença era necessária. Aparecia aqui, ali e acolá repentinamente, para satisfazer à sua caridade.

Tinha uma horta na qual ele mesmo cultivava as plantas que utilizava para suas práticas medicinais. Com elas operava verdadeiros milagres. Dizia ao enfermo: “Eu te medico, Deus te cura”. E isso ocorria. Mas às vezes se valia das coisas mais diversas para comunicar sua virtude de cura, como vinho morno, faixas de pano para ligar as pernas quebradas de um menino, etc.

Estando doente o Bispo de La Paz, de passagem por Lima mandou que chamassem Frei Martinho para que o curasse. O simples contato da mão do doado em seu peito o livrou de grave moléstia que o levava ao túmulo.

Entre os inúmeros milagres que se atribuem a Martinho, está o dom da bilocação (foi visto na mesma hora em lugares e até países diferentes) e o de uma ressurreição. Conta-se também que estava com outros dois irmãos longe do convento, quando soou a hora para reentrarem; a fim de não faltarem à virtude da obediência, deu ele a mão aos outros dois, e os três levantaram voo, chegando assim ao convento no momento previsto. Como são Francisco de Assis, dominava, influenciava e comandava os animais de todas as espécies, mesmo os ratos, que o seguiam a um simples chamado.

A fama de sua santidade ganhou tanta força que as pessoas passaram a interferir na calma do convento, por isso o superior teve de proibi-lo de patrocinar os prodígios. Mas logo voltou atrás, pois uma peste epidêmica atingiu a comunidade e muitos padres caíram doentes. Então, Martinho associou às ervas a fé, e com o toque das mãos curou cada um deles.

Morreu aos sessenta anos, no dia 3 de novembro de 1639, após contrair uma grave febre. Porém o padre negro dos milagres, como era chamado pelo povo pobre, deixou sua marca e semente, além da vida inteira dedicada aos desamparados. Com as esmolas recebidas, fundou, em Lima, um colégio só para o ensino das crianças pobres, o primeiro do Novo Mundo.

O papa Gregório XVI beatificou-o em 1837, tendo sido canonizado em 1962, por João XXIII, que confirmou sua festa no dia 3 de novembro. Em 1966, Paulo VI proclamou são Martinho de Porres padroeiro dos barbeiros. Mas os devotos também invocam sua intercessão nas causas que envolvem justiça social.

A Igreja também celebra hoje a memória dos santos: Sílvia, Malaquias e Humberto.