PESQUISAR TEMAS E ARQUIVOS DO BLOG

segunda-feira, 27 de junho de 2016

Declaração Conjunta: papel das religiões na construção da paz



Na parte da tarde deste domingo (26/06), o Papa se despediu da Residência do Catholicos, local de sua permanência nestes dias em Etchmiadzin. Estavam presentes também cerca de 100 pessoas, entre Delegados e Benfeitores da Igreja Armênia Apostólica.

Antes de se despedir dos presentes, o Papa Francisco e o Catholicos Karekin II assinaram uma mensagem conjunta, sobre a qual destacamos:

“Hoje, nós, o Papa Francisco e o Catholicos de Todos os Armênios Karekin II, elevamos as nossas mentes e corações em ação de graças ao Todo-Poderoso pela progressiva e crescente proximidade na fé e no amor entre a Igreja Apostólica Armênia e a Igreja Católica, no seu testemunho comum da mensagem do Evangelho em um mundo dilacerado por conflitos e desejoso de conforto e esperança”.

“É grande o prazer espiritual de relembrar que, em 2001, por ocasião dos 1700 anos da proclamação do cristianismo como religião da Armênia, São João Paulo II visitou o país como testemunha de uma nova página nas relações calorosas e fraternas entre a Igreja Armênia Apostólica e a Igreja Católica”.

Roma

“Estamos gratos por termos estado juntos em uma solene liturgia na Basílica de São Pedro em Roma, no dia 12 de abril de 2015, quando nos empenhamos a combater toda forma de discriminação e violência. Na ocasião, recordamos as vítimas do “extermínio de um milhão e meio de cristãos armênios naquele primeiro genocídio do século XX”.

“Imploramos aos líderes das nações que ouçam o apelo de milhões de seres humanos, que anseiam pela paz e a justiça no mundo, que pedem respeito pelos seus direitos, que têm necessidade urgente de pão, não de armas. Infelizmente, somos testemunhas de uma visão fundamentalista da religião e dos valores religiosos, usada para justificar a difusão do ódio, discriminação e violência”.

Paz

“Por sermos cristãos, somos chamados a buscar caminhos para a reconciliação e a paz. A propósito, expressamos a nossa esperança de uma resolução pacífica das questões sobre o Nagorno-Karabakh.

“Estamos convencidos da importância crucial de avançar nas mútuas relações, para compartilhar a comunhão plena e as expressões concretas de unidade. Exortamos, pois, os nossos fiéis a trabalhar pela promoção dos valores cristãos, afim de que contribuam para a construção de uma civilização de justiça, paz e solidariedade humana”.