PESQUISAR TEMAS E ARQUIVOS DO BLOG

quarta-feira, 13 de abril de 2016

Sem arrependimento, toda ação religiosa é ineficaz

13_abr_aud-01

































Cidade do Vaticano  – “Misericórdia é que eu quero, e não sacrifício”. Partindo desta máxima de Jesus no contexto bíblico da vocação de Mateus, o Papa afirmou durante a Audiência geral desta quarta-feira, (13/04), que qualquer atitude religiosa que não provenha do arrependimento é ineficaz. “Todos necessitamos da misericórdia de Deus, origem da nossa salvação”, disse Francisco.

Mateus era coletor de impostos e, por isso, um pecador público. Contudo, sua verdadeira vocação se confirma com o chamado do Mestre, porém isso não o torna perfeito.

“É verdade que ser cristão não nos faz impecáveis. Como Mateus, o publicano, cada um de nós se entrega à graça do Senhor apesar dos próprios pecados. Todos somos pecadores, todos pecamos. Uma vez, ouvi um provérbio tão bonito: não há santo sem passado, e não há pecador sem futuro. É bonito isso, isto é o que faz Jesus”, recordou o Pontífice.

Muro que nos separa de Deus

Todavia, recordou Francisco, é preciso superar uma barreira que nos afasta de Deus e que, por muitas vezes, parece intransponível: “A vida cristã é uma escola de humildade que se abre à graça. Tal comportamento não é compreendido por quem tem a presunção de se achar ‘justo’ e melhor do que os outros. Soberba e orgulho não permitem que reconheçamos a nossa necessidade de salvação, aliás, impede de ver o rosto misericordioso de Deus e de agir com misericórdia. São um muro, a soberba e o orgulho, são um muro que impedem a relação com Deus”.
Os pecadores, todos, sem exclusão – reforçou o Papa – também têm a oportunidade de serem curados pelo poder “restaurador de Deus” que não conhece limites. “E isso nos deve dar confiança para que Jesus venha e nos cure!”, exclamou o Pontífice.

Francisco refletiu então sobre Jesus que se apresenta como Médico Divino, com dois medicamentos que restauram e nutrem: a Palavra e a Eucaristia.

“Com a Palavra, Ele se revela e nos convida a um diálogo entre amigos: Jesus não tinha medo de falar com os pecadores, os publicanos, as prostitutas. Não tinha medo, amava todos”, disse o Papa ao advertir: “Às vezes, esta Palavra é dolorosa porque incide sobre as hipocrisias, desmascara as falsas desculpas, traz à tona as verdades escondidas; mas ao mesmo tempo ilumina e purifica, dá força e esperança, é um reconstituinte preciso no nosso caminho de fé”.

Religiosidade de fachada

O segundo bálsamo para o arrependimento sincero do coração cristão é a Eucaristia que “nos nutre com a própria vida de Jesus e, como um potentíssimo remédio, de maneira misteriosa renova continuadamente a graça do nosso Batismo”.

Ao concluir, Francisco voltou ao cenário de Jesus que dialoga com os fariseus para recordar que, apesar da aliança com Deus e da misericórdia, as orações de Israel eram incoerentes e cheias de palavras vazias, uma ‘religiosidade de fachada’: “‘Misericórdia é que eu quero’, ou seja, a lealdade de um coração que reconhece os próprios pecados, que se arrepende e volta a ser fiel à aliança com Deus. ‘E não sacrifício’: sem um coração arrependido, toda ação religiosa é ineficaz”.

Papa pede oração por sua visita a Lesbos

Ao final da Audiência Geral desta quarta-feira (13/04), o Papa Francisco pediu a oração dos fiéis em vista da visita que fará à ilha de Lesbos, na Grécia. “No próximo sábado (16/04), visitarei a ilha de Lesbos, onde nos meses passados transitaram inúmeros prófugos. Irei com os meus irmãos o Patriarca de Constantinopla, Bartolomeu, e o Arcebispo de Atenas e de toda a Grécia, Jerônimo, para expressar proximidade e solidariedade seja aos prófugos, seja aos cidadãos de Lesbos e a todo o povo grego, tão generoso no acolhimento. Peço por favor que me acompanhem com a oração, invocando a luz e a força do Espírito Santo e a materna intercessão da Virgem Maria.”
Como reiterou o Papa em seu pedido de oração, a visita à Grécia tem uma significativa dimensão ecumênica. A assistência aos refugiados na Ilha é feita sobretudo pelos ortodoxos, sendo a maioria da população, com grande sinergia com instituições católicas e de outras confissões cristãs. Segundo dados divulgados na última terça-feira (12/04) pela Organização Internacional para Migrações, mais de 173.000 migrantes e refugiados chegaram à Grécia, Itália, Chipre e Espanha pelo Mar Mediterrâneo em 2016 (dados contabilizados entre 1º de janeiro e 11 de abril). O número de mortes na região subiu para 723.

Grécia

A organização calcula que somente na Grécia, mais de 153 mil pessoas entraram no país desde o início do ano. A OIM diz ainda que mais de 53 mil refugiados e migrantes estão sem ter como se locomover na Ilha. Boa parte deles está alojada em centros de acolhimento no norte do país. Os sírios formam a maioria dos migrantes e refugiados que chegam à Grécia, seguidos pelos afegãos, iraquianos, paquistaneses e iranianos.