PESQUISAR TEMAS E ARQUIVOS DO BLOG

segunda-feira, 14 de março de 2016

Jesus nos convida a procurar a justiça de Deus, afirma Pontífice


Neste domingo, 13 de março, por ocasião do terceiro aniversário do Pontificado do Papa Francisco, milhares de fiéis  e peregrinos, provenientes das diversas partes da Itália e do mundo, congregaram-se esta manhã, às 12 horas de Roma, na Praça de S. Pedro para assistir a cerimônia do Angelus Domini.

O Evangelho deste quinto domingo da Quaresma, disse o Papa na sua alocução, “é tão bonito  e eu gosto muito de lê-lo e relê-lo”. Apresenta o episódio da mulher adúltera, pondo em realce o tema da misericórdia de Deus que não quer nunca a morte do pecador, mas que mude de vida e viva. O episódio acontece na varanda do templo do Monte das Oliveiras onde Jesus estava a ensinar. Eis que os fariseus apresentaram-Lhe uma mulher surpreendida em adultério. Aquela mulher, disse Francisco, se encontra assim, entre Jesus  e a multidão, entre a misericórdia do Filho de Deus e a violência dos seus acusadores.

Na realidade, prossegue o Santo Padre, eles não vieram ter com o Mestre para pedir o seu parecer, mas para Lhe armarem uma cilada. De fato, se Jesus seguirá a severidade da lei, aprovando o apedrejamento da mulher, perderá a sua fama de bondade que tanto atrai o povo; se pelo contrário quererá ser misericordioso, irá contra a lei que Ele mesmo disse não querer abolir mas cumprir”.

Perante a pergunta maliciosa dos fariseus, “Tu que dizes”, Jesus não responde, fica silencioso e inicia a fazer um gesto misterioso: inclinou-Se e começou a escrever com o dedo no chão. Desta forma, salientou o Papa, ele convida todos à calma, a não agir guiados pela onda do impulso e a procurar a justiça de Deus.

Mas os fariseus insistiam em interrogá-Lo, Eram pessoas malvadas, pareciam, disse o Santo Padre, que tivessem sede de sangue. Jesus ergueu-Se então e disse-lhes: "Quem de entre vós estiver sem pecado atire a primeira pedra". Esta resposta, disse Francisco,  surpreendeu e desarmou todos os seus acusadores: todos depuseram as armas, isto é, as pedras que já tinham prontas para serem lançadas, seja aquelas visíveis dirigidas contra a mulher, seja aquelas invisíveis, dirigidas contra o próprio Jesus. E eis então que enquanto o Senhor continuava a escrever com o dedo no chão, os acusadores foram saindo um após o outro, a começar pelos mais velhos, mais certamente conscientes de não serem sem pecado.

"Quanto bem nos faz sermos conscientes, sobretudo quando falamos dos outros, de que também nós somos pecadores. Quanto bem nos fará termos a coragem de ditar no chão as pedras que temos já prontas para apredrejar os outros e pensarmos um pouco no nosso pecado."

No fim da cena, ficaram só Jesus e a mulher: a miséria e a misericórdia, um diante do outro, sublinhou o Papa. Segue a pergunta de Jesus: “mulher, onde estão eles? Ninguém te condenou?”. Ela respondeu: “Ninguém, Senhor”. Disse então Jesus: “Nem Eu te condeno. Vai e não tornes a pecar”.

Foi suficiente esta constatação e o olhar cheio de misericórdia e de amor  de Jesus, disse Francisco, para fazer sentir  àquela mulher, talvez pela primeira vez na sua vida, que ela tem uma dignidade, que ela não é o seu pecado, que pode mudar de vida, pode sair da sua condição da escrava e percorrer novos caminhos vitais. Nós, acrescentou o Pontífice, temos um nome e Deus não identifica o nosso nome com o pecado que cometemos. Portanto ela não é sinônimo do seu pecado, é uma pessoa com a sua dignidade e sobretudo capaz de conversão autêntica.

Finalmente, Francisco recordou à todos os presentes, que aquela mulher, representa todo nós, pecadores, isto é, adúlteros perante Deus, traidores da sua fidelidade. E a sua experiência representa a vontade de Deus para cada um de nós: não a nossa condenação, mas a nossa salvação em Jesus, Ele que é a Graça, que salva do pecado e da morte. Ele escreveu no chão, no pó de que é feito cada ser humano, a sentença de Deus: “Não quero que tu morras mas que vivas”. Possa então a Virgem Maria, conclui dizendo o Papa, ajudar-nos a entregarmo-nos completamente à misericórdia de Deus, para tornarmo-nos criaturas novas.

Neste dia do terceiro aniversário do seu Pontificado, Francisco quis renovar o gesto de doar uma edição evangélica do bolso denominada Evangelho da Misericórdia segundo S. Lucas” que traz consigo as seguintes expressões de Jesus: “sede misericordiosos, como é misericordioso o vosso Pai”. O Evangelho foi distribuído pelos voluntários do Centro pediátrico “Santa Marta do Vaticano e por alguns idosos/as e avós/avôs da cidade de Roma, aos quais não faltou o elogio e o agradecimento do Papa Francisco.

E o Papa a todos desejou um bom domingo e um bom almoço, pedindo mais uma vez a todos que não esqueçam de rezar por ele particularmente neste dia do terceiro aniversário do seu pontificado. 

Fonte: Rádio Vaticano