PESQUISAR TEMAS E ARQUIVOS DO BLOG

quinta-feira, 22 de outubro de 2015

Santo do dia: São João Paulo II


Karol Wojtyla, nasceu no dia 18 de Maio de 1920 em Wadowice, Polônia. Estudou poesia e drama na Universidade Jagieloniana. Durante a Segunda Guerra Mundial (1939- 1945), completou o curso universitário no Instituto Angelicum de Roma e doutorou- se em teologia na Universidade Católica de Lublin. Até ser nomeado bispo auxiliar de Cracóvia em 1958, foi capelão universitário e professor de ética em Cracóvia e Lublin.

A forma filosófica, que integrava os métodos e perspectivas de fenomenologia na filosofia Tomistica, de gerir as questões que se lhe apresentavam no dia a dia, estão relacionadas com a sua "devoção" ao pensador Alemão Mas Scheler. Em 1964, Wojtyla assume as funções de arcebispo de Cracóvia, e em 1967, chega a cardeal. Um ativo participante no Conselho Vaticano Segundo, representou igualmente a Polônia em cinco Sínodos internacionais de bispos entre 1967 e 1977.

Foi eleito Papa a 16 de outubro de 1978, sucedendo a João Paulo I. Wojtyla adotou então o nome João Paulo II. A 13 de maio de 1981, foi atingido por um tiro quando entrava na Praça de São Pedro, no Vaticano e ficou gravemente. João Paulo II publicou livros de poesia e, sob o pseudônimo Andrzej Jawien, escreveu uma peça de teatro, "A Loja do Ourives" (1960). Os seus escritos éticos e teológicos incluem "Amor Frutuoso e Responsável" e "Sinal de Contradição", ambos publicados em 1979. A sua primeira Encíclica, "Redemptor Hominis" (Redentor dos Homens, 1979), explica a ligação entre a redenção por Cristo e a dignidade humana.

Nos anos 80 e 90, João Paulo II fez várias viagens, incluindo visitas a África, Ásia e América; em setembro de 1993 deslocou- se às repúblicas do Báltico na primeira visita papal a países da ex- União Soviética. João Paulo II influenciou a restauração da democracia e liberdades religiosas na Europa de Leste, especialmente na sua Polônia natal. Reagindo ferozmente à dissidência no interior da Igreja, reafirmou os ensinamentos Católicos Romanos contra a homossexualidade, aborto e métodos "artificiais" de reprodução humana e controlo de natalidade, assim como a defesa do celibato dos padres.
No ano 2000, o Ano Sagrado em que a Igreja refletiu os seus 2000 anos de História, João Paulo II pediu perdão pelos pecados cometidos pelos Católico Romanos. Apesar de não ter mencionado erros específicos, diversos cardeais reconheceram que o papa se referia às injustiças e intolerância do passado relativamente aos não-Católicos. Nestes males reconhece- se o período das Cruzadas, da Inquisição e a apatia da igreja. O pedido de desculpas precedeu uma deslocação de João Paulo II à Terra Santa. João Paulo II resistiu à secularização da igreja. Ao redefinir as responsabilidades da laicização, dos padres e das ordens religiosas, rejeitou a ordenação das mulheres e opôs- se a participação política e a manutenção de cargos políticos pelos padres.

Os seus movimentos ecumênicos iniciais foram dirigidos para a Igreja Ortodoxa e para o Anglicanismo, e não para o Protestantismo Europeu. Atacado pelo Mal de Parkinson, morreu aos 84 anos, no Vaticano, após dois dias de agonia, às 21h37 de Roma, 16h37 de Brasília, do dia 2 de abril, em seus aposentos no Palácio Apostólico.

São João Paulo II foi canonizado no dia 27 de abril de 2014, na Praça São Pedro.