PESQUISAR TEMAS E ARQUIVOS DO BLOG

quarta-feira, 28 de outubro de 2015

Por que a rosa não mais floresce?

28_out_rubem-01

De Rubem Alves

O padre disse que foi a falta de desejo honesto de ser feliz. O padre estava errado. A rosa que amamos pode deixar de florescer a despeito dos nossos mais sinceros esforços.

Há algo trágico no poema de Cassiano Ricardo.

Por que tenho saudade de você,
no retrato, ainda que o mais recente?
E por que um simples retrato, mais que você,
me comove, se você mesma está presente?

Quando li esse poema pela primeira vez tive a impressão de que ele estava brincando. Agora eu o leio como um lamento. Como eu amo você! Quem ama quer estar junto, segurar as mãos, ficar olhando para o rosto. Mas eu não sinto isso quando estou com você - eu não o encontro em você. Encontro no seu retrato. Olho para você, do outro lado da mesa. E me lembro do seu retrato. O retrato! Olho o seu retrato e sinto saudades. O retrato é o lugar da ausência. Barthes diz que aquilo que todos os retratos retratam é a morte: o que deixou de ser, o que não é mais. O tempo do retrato é um passado irrecuperável. Amo um objeto que não tem mais existência: a sua imagem no retrato, morta, embora você mesma esteja presente. Meu amor mora num passado sem volta. Sendo esse o caso, não amo você, presente, diante de mim, do outro lado da mesa.

A rosa florescia. Por que deixou de florescer?

Talvez o amor não passe de uma deliciosa ilusão que se realiza em momentos sagrados, raros. Quando ele acontece é aquela felicidade imensa, aquela certeza de eternidade.
Ah! Como os apaixonados desejam sinceramente que aquela felicidade não tenha fim! Mas o amor, pássaro, de repente bate as asas e voa ... Brincando, faz tempo, eu sugeri que um casamento que se baseasse no amor teria de ser efêmero porque o amor é sentimento, e os sentimentos não podem ser transformados em monumentos. É o evangelho que diz. Deus é amor. E diz também que Deus é "vento que sopra onde quer, sem que saibamos donde vem nem para onde vai".

Nos sonhos a imagem da casa frequentemente corresponde ao corpo. Jesus, numa parábola, compara o corpo a uma casa vazia que, por estar vazia, foi invadida por demônios sem-teto. As casas são comoventes. Uma das razões do meu amor pelas pinturas de Larsson é que ele pinta casas, com fumaça saindo pela chaminé, cozinhas, gatos, galinhas. Comovem-me especialmente as casas velhas - pelas estórias que elas contam. Sim, casas contam estórias, ou acontecidas ou por acontecer.

As casas estão ligadas ao amor. "Tu não te lembras da casinha pequenina onde o nosso amor nasceu? Tinha um coqueiro do lado que - coitado! - de saudade já morreu". O amor por uma pessoa começa do mesmo jeito como começa o amor por uma casa. Vem primeiro o visível: a gente vê a casa, a gente vê um rosto, um corpo. E aquele sentimento de querer morar naquela casa, de querer morar naquele corpo ... O que se imagina não pode se comparar ao que se vê. O que se vê é apenas um ponto em torno do qual a imaginação pinta a cena de felicidade. Sim, quero morar na casa, essa casa que vejo, de paredes brancas e janelas azuis porque estou amando tudo aquilo que acontecerá nela. Amo a casa de paredes brancas e janelas azuis pelos sonhos que a envolvem.

Os apaixonados não sabem que cada casa de paredes brancas e janelas azuis é uma pensão. Pensões frequentemente se anunciam como "familiares", lugares de respeito. O dono até pode rejeitar um possível hóspede. Com o corpo não é assim. Os hóspedes já estão lá, todos com a mesma cara, mas cada um de um jeito: um professor sério, uma criança que brinca, um avô carinhoso, um sedutor de fala mansa, um pecador arrependido, um poeta deprimido, um sargento autoritário, uma criança birrenta, um órfão abandonado, um sabe-tudo que só fala e não escuta, um debochado, um torturador que sabe onde dói mais, um assassino que só não mata por medo, um ser monstruoso, mistura de bruxa e demônio. Todos nos seus quartos. Normalmente não aparecem. Esse rol de hóspedes - eles não se encontram todos na pensão. Apenas alguns - o que é suficiente.

O dono da pensão - que se chama "eu" - se esforça por mantê-Ios quietos. Alguns, ele gosta que apareçam. São seres civilizados. Confirmam o caráter "familiar" da pensão. Outros, quando aparecem, é como se o inferno acontecesse. Trancam o dono da pensão (o padre o chamaria de "razão") num quarto, e estabelecem o horror-terror. É a gritaria, são as ofensas, os palavrões, a ironia cortante, as agressões, a violência. Os demônios têm um conhecimento preciso dos lugares a serem tocados. A pensão - paredes brancas e janelas azuis - se transforma num lugar infernal. (São nesses momentos que acontecem as tragédias. Crimes. Vem o julgamento. Mas aquele que é julgado, odiado e executado não é o criminoso. É o dono da pensão, pessoa pacífica e de bons sentimentos. O criminoso está dormindo, numa cela, no porão da pensão). Passada a orgia infernal, os demônios exauridos e satisfeitos retornam às suas celas, deixando os destroços para serem arrumados pelo dono da pensão. É o momento da tristeza e da vergonha. Como explicar que aquela pensão de paredes brancas e janelas azuis, anunciada como lugar sagrado - à porta, "Lar, doce lar"; no hall de entrada uma Bíblia aberta! -, de repente se transforme num lugar infernal?

Casamento é uma fusão de pensões. Para os apaixonados não é pensão: é a casinha pequenina, paredes brancas e janelas azuis, onde o nosso amor nasceu. O morador, a moradora: Que lindo sorriso! Que voz mansa! Que boca excitante! Ignoram que a casa é uma pensão onde moram muitos hóspedes estranhos que, sem nenhum aviso prévio, à menor provocação, acordam e fazem o inferno. Passada a vergonha vêm os pedidos de perdão, as promessas de que aquilo jamais irá se repetir, as juras de amor eterno. Assim falam as boas intenções da impotente razão. Mas as feridas produzidas não podem ser esquecidas. Somente Deus tem poder suficiente para esquecer. E o rosto - aquele mesmo que se encontra do outro lado da mesa, que outrora era lugar da imagem feliz - está irremediavelmente marcado: naquele rosto angelical foi vista a imagem que não se queria ver. O que se viu não pode ser esquecido. É. Tem razão o poeta: "O amor é a coisa mais triste quando se desfaz." É triste por causa do retrato: porque ele faz lembrar uma felicidade que se teve e que não se tem mais. O retrato é uma sepultura.

Rubem Alves em O amor que acende a lua