PESQUISAR TEMAS E ARQUIVOS DO BLOG

sexta-feira, 1 de maio de 2015

Maio: o mês mariano - Imaculada Conceição


Estamos em maio, o mês mariano. No 2º domingo de maio celebramos o dia das mães, e como não render louvores a Maria, a Mãe do Salvador?

Nossa Senhora é uma só, mas quantas invocações marianas nós conhecemos? Em cada país, em cada região, existe uma devoção particular. Quantas histórias nós conhecemos sobre as aparições de Nossa Senhora?

No Brasil, celebramos Maria com o título de Nossa Senhora Aparecida, aquela que apareceu aos humildes pescadores no Rio Paraíba.

Desejamos neste mês celebrar a vida e a vocação de Maria. Que nossa devoção mariana não seja sinal de separação com os nossos irmãos protestantes, ou de outras denominações religiosas, mas que seja uma riqueza de nossa tradição.

A cada dia do mês de maio você acompanhará uma invocação mariana e poderá conhecer um pouco mais das diversas denominações a Maria.

Para dar início ao mês mariano, apresentamos Imaculada Conceição, padroeira de nossa Província Franciscana.

Imaculada Conceição - 8 de dezembro

O dogma da Imaculada Conceição de Maria é um dos dogmas mais queridos ao coração do povo cristão. Os dogmas da Igreja são as verdades que não mudam nunca, que fortalecem a fé que carregamos dentro de nós e que não renunciamos nunca.

A convicção da pureza completa da Mãe de Deus, Maria, ou seja, esse dogma, foi definida em 1854, pelo papa Pio IX, através da bula "Ineffabilis Deus", mas antes disso a devoção popular à Imaculada Conceição de Maria já era extensa. A festa já existia no Oriente e na Itália meridional, então dominada pelos bizantinos, desde o século VII.

A festa não existia, oficialmente, no calendário da Igreja. Os estudos e discussões teológicas avançaram através dos tempos sem um consenso positivo. Quem resolveu a questão foi um frade franciscano escocês e grande doutor em teologia chamado bem-aventurado João Duns Scoto, que morreu em 1308. Na linha de pensamento de são Francisco de Assis, ele defendeu a Conceição Imaculada de Maria como início do projeto central de Deus: o nascimento do seu Filho feito homem para a redenção da humanidade.

Transcorrido mais um longo tempo, a festa acabou sendo incluída no calendário romano em 1476. Em 1570, foi confirmada e formalizada pelo papa Pio V, na publicação do novo ofício, e, finalmente, no século XVIII, o papa Clemente XI tornou-a obrigatória a toda a cristandade.

Quatro anos mais tarde, as aparições de Lourdes foram as prodigiosas confirmações dessa verdade, do dogma. De fato, Maria proclamou-se, explicitamente, com a prova de incontáveis milagres: "Eu sou a Imaculada Conceição".

Deus quis preparar ao seu Filho uma digna habitação. No seu projeto de redenção da humanidade, manteve a Mãe de Deus, cheia de graça, ainda no ventre materno. Assim, toda a obra veio da gratuidade de Deus miseriordioso. Foi Deus que concedeu a ela o mérito de participar do seu projeto. Permitiu que nascesse de pais pecadores, mas, por preservação divina, permanecesse incontaminada.

Maria, então, foi concebida sem a mancha do orgulho e do desamor, que é o pecado original. Em vista disso, a Imaculada Conceição foi a primeira a receber a plenitude da bênção de Deus, por mérito do seu Filho, e que se manifestou na morte e na Ressurreição de Cristo, para redenção da humanidade que crê e segue seus ensinamentos.
Hoje, não comemoramos a memória de um santo, mas a solenidade mais elevada, maior e mais preciosa da Igreja: a Imaculada Conceição da Santíssima Virgem Maria, a rainha de todos os santos, a Mãe de Deus.

Fonte: Paulinas