PESQUISAR TEMAS E ARQUIVOS DO BLOG

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Advento!

“Aquele que há de vir!”
Existe uma música, que nesta época do ano, me vem a mente, gostaria de recordar apenas uma frase dela e compartilhar com você, querido leitor: “o tempo vai passando sutilmente, de repente, a gente lembra que o Natal já vai chegar!”. É, o natal já vai chegar, de fato!
Quantas coisas boas fizemos este ano, quantas coisas não tão boas assim; quantos projetos realizados e quantos sonhos que ainda teremos que adiar para “amanhã”; pessoas queridas que conquistamos, outras que perdemos, enfim, a vida é feita de escolhas, de caminhos e sonhos. Na verdade, o tempo passa rápido demais para todos, e quando percebemos o Advento nos bate a porta, o ano novo nos dá o ar de sua graça e a vida nos dá uma chance de recomeçar tudo outra vez.
Advento é justamente isso, a expectativa do novo, a vontade de querer acertar, a angústia da espera acompanhada já da certeza da chegada. Sim, ele veio, vem e virá, sempre, na vida daqueles que acreditam no amor, na busca do Reino, na luta por um mundo melhor e mais humano.
No fundo, começar o Advento, mais uma vez, é abrir o coração para entender o grande mistério que foi a vida de Jesus em nosso meio. Filho de Deus que nasceu pobre, viveu na simplicidade e morreu de braços abertos, abraçando consigo todos os seus filhos. Um homem que na vida só soube amar e resgatou o que temos de mais verdadeiro e profundo: nos fez acreditar em nós mesmos “tua fé te salvou”. Resgatou a dignidade das pessoas, olhou nos olhos, tocou, beijou, chorou.
Nos últimos meses tenho pensado muito nisso: O que fez Jesus ter sido tão amado, tão procurado, tão odiado? Seriam seus milagres? Seriam seus pais? Seria sua origem? Acabei chegando a conclusão de que o que fez Jesus ter sido uma figura tão singular, foi o fato de ele ter apostado em cada um de nós. Sim, todos os gestos de Jesus, resgatam o que no fundo todos nós temos e somos, tudo o que gostaríamos de fazer e as vezes não fazemos, ele acreditava em cada pessoa e seus gestos comprovam que Ele queria mostrar que o Reino se faz com a esforço dos gestos mais simples de cada um, eis o que nos dizem alguns evangelistas: “Jesus estendeu a mão, tocou nele” (Lc 5,13); Jesus olhou para ele com amor (Mc 10,21); levavam crianças para que Jesus pusesse as mãos (Mt 19,13); poderíamos citar outros tantos que nos relatam os Evangelhos.
Estender a mão, tocar alguém, olhar nos olhos, sorrir, abraçar. Quem não gosta destes gestos? Quem não precisa deles? Foi justamente isso que Jesus fez e foi justamente por isso que ele se tornou o homem mais amado da história. Claro, quem de nós não gostaria de receber um olhar e um abraço destes? Quem de nós não pode oferecer um toque, uma visita, um abraço? Ou seja, Ele nos deu o exemplo de como todo ser humano pode acreditar em si mesmo e amar os outros: “Amai-vos uns aos outros, assim como eu vos amei!” (Jo 15,12). Somos bons por natureza, já nos disse Santo Agostinho. Que tal acreditar nisso?
Neste advento, nos preparemos para a vinda Dele, mas não nos esqueçamos de que podemos já agora fazer algo por aqueles que estão do nosso lado, precisando de nossos gestos concretos. Não custa nada ser bom, aliás, faz mais bem a quem oferece do que a quem recebe. Vamos compartilhar o bem, vamos buscar a paz e vamos fazer deste Advento um tempo forte de conversão.
Frei Alvaci Mendes da Luz